Emma escolhe Lisboa para “hub” e vai contratar mais de 100 pessoas

Depois de Frankfurt e Manila, Lisboa é a cidade escolhida para receber o novo Business Services Center da Emma para a Europa e América Latina. Startup prepara-se para contratar mais de 100 pessoas.

Portugal foi o país escolhido para acolher o novo Business Services Center da Emma para os mercados europeus e da América Latina. A capital lisboeta junta-se agora aos outros dois escritórios da startup alemã, em Frankfurt, na Alemanha, e Manila, nas Filipinas. Empresa prepara-se para recrutar mais de 100 pessoas.

Com “mais de 500 colaboradores espalhados entre os dois hubs atuais”, a Emma – The Sleep Company elegeu Lisboa “como a aposta certa para abrir o seu próximo escritório”, na sequência da “elevada necessidade de recrutamento e procura de talento”, informa a startup alemã, especializada no desenvolvimento e comercialização de colchões, em comunicado.

Este novo projeto estará a cargo da portuguesa Filipa Guimarães, responsável pelos mercados do sul da Europa e América Latina, e contará com “uma forte componente internacional”, refere a nota de imprensa. “Lisboa é uma cidade atrativa até para estrangeiros, pela qualidade de vida e o cenário de startups dinâmico que tem. Além disso, existe imenso talento em Portugal, é fácil recrutar pessoas que falam mais que uma língua e temos universidades e um nível educação superior bastante bom”, assinala Filipa Guimarães.

Nesse sentido, a empresa prepara-se para “recrutar mais de 100 pessoas nos próximos meses”, sendo que neste momento as vagas abertas centram-se “nas áreas de operações, funções de suporte, gestão, marketing e design“, mas até ao final do próximo ano vão ser também reforçadas “as área de procurement, customer excellence e logística”. As vagas a preencher no mercado português podem ser consultadas aqui.

Este novo investimento em Portugal surge após a empresa ter passado grande parte da sua produção europeia para o mercado nacional, “o qual fornece vários mercados ativos, não apenas na Europa mas no mundo inteiro”, esclarece a Emma.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emma escolhe Lisboa para “hub” e vai contratar mais de 100 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião