INE revê em alta recuperação do PIB para 13,3% no terceiro trimestre, mas tem quebra homóloga de 5,7%

O PIB contraiu, em termos homólogos, 5,7%, no terceiro trimestre de 2020. Porém, face ao segundo trimestre, verificou-se uma recuperação expressiva de 13,3%.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu ligeiramente em alta esta sexta-feira a recuperação da economia portuguesa para 13,3% no terceiro trimestre (13,2% na estimativa anterior), após a queda histórica no segundo trimestre por causa da crise pandémica. Apesar da recuperação, o PIB continua 5,7% aquém do verificado no terceiro trimestre de 2019.

“Estes resultados reveem em alta (0,1 pontos percentuais) as taxas de variação apresentadas na primeira estimativa rápida, devido à integração de informação primária adicional, nomeadamente relativa ao comércio internacional de serviços“, explica o gabinete de estatísticas no destaque divulgado esta sexta-feira das contas nacionais trimestrais.

A recuperação da economia no terceiro trimestre, face ao segundo trimestre, reflete “os efeitos da reabertura progressiva da atividade económica, que se seguiu à aplicação de medidas de contenção à propagação da COVID-19 com forte impacto económico nos primeiros dois meses do segundo trimestre”. No segundo trimestre, o PIB contraiu 16,3%, em termos homólogos, e 13,9% em cadeia.

A recuperação no terceiro trimestre é explicado principalmente pela recuperação do contributo da procura interna, em particular com o crescimento do consumo privado, numa altura em que as restrições aligeiraram. O contributo da procura externa líquida (exportações descontadas das importações) também inverteu, “verificando-se um crescimento acentuado das exportações de bens e serviços“, nota o INE. As exportações cresceram 38,8% no terceiro trimestre, face ao segundo trimestre, após terem caído 37%.

Apesar desta recuperação significativa no terceiro trimestre, a economia portuguesa continua em recessão, ficando 5,7% aquém do registado no mesmo trimestre do ano passado. Ainda que tenha melhorado, o contributo negativo da procura interna em termos homólogos continua a ser de -4,1 pontos percentuais enquanto o contributo negativo da procura externa líquida é de -1,5 pontos percentuais.

Na procura interna, é de notar a recuperação tanto do consumo privado como do investimento, assim como o crescimento do consumo público que no trimestre anterior tinha contraído. Já na procura externa líquida, houve uma recuperação mais expressiva nas exportações do que nas importações, “devido em grande medida à evolução das exportações de bens, uma vez que as de serviços mantiveram reduções expressivas“, assinala o gabinete de estatísticas.

A informação detalhada sobre o que aconteceu à economia no terceiro trimestre será divulgada a 30 de novembro.

(Notícia atualizada às 9h55 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

INE revê em alta recuperação do PIB para 13,3% no terceiro trimestre, mas tem quebra homóloga de 5,7%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião