Swiss Re Institute melhora perspetivas do setor segurador para 2021 e 2022

  • ECO Seguros
  • 15 Novembro 2020

O instituto de pesquisa da gigante do resseguro mostra-se agora mais otimista para a evolução da indústria seguradora nos próximos dois anos, face ao cenário traçado em junho passado.

O mercado global de seguros deverá registar um crescimento de 3,4%, em termos reais, em 2021, esperando-se que a retoma global do mercado seja liderada pela China, aponta um relatório do Swiss Re Institute, melhorando projeções assumidas em estudo anterior da série Sigma, apresentado em junho passado.

O crescimento previsto para o próximo ano, ainda num ritmo de recuperação lenta, sucede a uma quebra estimada de 1,4% em 2020, um recuo menos acentuado do que os -2,8% estimados anteriormente. O outlook do Swiss Re Institute sustenta-se numa previsão de 4,7% no crescimento do PIB global em 2021, em termos reais, menos otimista face aos 5,2% assumidos pelo mercado, refere o Rebuilding better: global economic and insurance market outlook 2021/22, mais recente relatório da instituição líder global do resseguro.

“Para uma recuperação económica sustentável, precisamos de uma redefinição das políticas públicas. Estas devem concentrar-se em áreas como infraestruturas, tecnologia e clima. A construção de novas infraestruturas sustentáveis terá um grande impacto no crescimento do PIB,” afirma Jerome Jean Haegeli, economista-chefe do Swiss Re Group, citado no documento.

Avaliando os níveis de resiliência económica dos países, a pandemia afetará cada economia de forma diferenciada, em função da capacidade de absorver choques e da sua política governamental. “Além de gastarem de forma mais inteligente, os legisladores deveriam recorrer mais a parcerias público-privadas e estabelecer quadros operacionais e regulatórios para que a economia real tire melhor aproveitamento do financiamento privado, como os fundos de seguros,” sugere Haegeli.

No estudo que traça o cenário para a economia global e o mercado de seguros nos próximos dois anos, a equipa de research do Swiss Re Institute refere que a retoma da indústria seguradora será lenta, com o volume global de prémios a crescer 3,4% em 2021 e 3,3% em 2022, sob liderança da Ásia e do mercado dos EUA, suportando-se sobretudo no agravamento dos preços.

Notariscos: sinais gráficos indicam sentido da variação desde junho Fonte: Swiss Re “Rebuilding better…” (sigma 7-2020). Reprodução ECOseguros

 

A China continuará a ser o mercado de crescimento mais rápido com um aumento estimado anual dos prémios “de até 10% nos próximos dois anos”, em grande parte graças a negócios robustos no setor de saúde. Os outros mercados emergentes desfrutarão de um crescimento agregado de prémios de quase 4% ao ano.

Uma maior consciência sobre o risco após a COVID-19 será um dos principais fatores impulsionadores da recuperação do setor. Outro fator a impulsionar a tendência será a rápida adoção da digitalização no setor de seguros, refere o documento.

Ainda, de acordo com a resseguradora, a procura de seguros nos mercados mais maduros portou-se melhor do que o esperado na primeira metade de 2020. Por isso, a instituição estima agora que o volume global de prémios nos ramos não Vida cresça 1,1% em 2020, recuperando para uma variação de 3,6% em 2021 e no ano seguinte.

No final do próximo ano, as taxas de crescimento poderão até superar os níveis pré-pandemia, admite a análise (sigma 7/2020).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Swiss Re Institute melhora perspetivas do setor segurador para 2021 e 2022

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião