PPE questiona Von der Leyen sobre ameaça de vice-presidente sobre a PAC

  • Lusa
  • 16 Novembro 2020

Timmermans, vice-presidente executivo da Comissão Europeia, “ameaçou agora publicamente retirar a proposta da Comissão se considerar pessoalmente que o nível de ambição é insuficiente".

O Partido Popular Europeu (PPE) questionou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sobre a ameaça do vice-presidente do executivo comunitário de retirar a proposta da Política Agrícola Comum (PAC) 2021-2027, por falta de ambição ambiental.

Numa carta, a que a Lusa teve acesso, assinada pelos três responsáveis do PPE pela comissão de Agricultura do PE e os dois eurodeputados do grupo político que foram responsáveis por relatórios sobre a PAC 2021-2027, consideram que “alguns dos pontos de vista recentemente expressos pelo vice-presidente executivo [Frans] Timmermans põem em causa elementos centrais da posição do Parlamento Europeu sobre a reforma da PAC em termos de sustentabilidade ambiental e climática”.

Timmermans, vice-presidente executivo da Comissão Europeia para o Pacto Ecológico Europeu, “ameaçou agora publicamente retirar a proposta da Comissão se considerar pessoalmente que o nível de ambição é insuficiente relativamente a estes elementos”, acrescentam os signatários, que pedem uma posição clara da presidente do executivo comunitário. “É difícil conciliar tal posição com o bom funcionamento do processo decisório da UE e careceria de legitimidade democrática”, salientam.

Em declarações à Lusa, o eurodeputado Álvaro Amaro (PSD, PPE), que, enquanto membro da comissão de Agricultura do PE, considerou “inconcebível que um vice-presidente da Comissão ameace o Parlamento Europeu com a retirada da proposta da PAC”.

Amaro adiantou também que Timmermans “está a confundir os papéis: o seu é apenas o de facilitar a conciliação entre as visões do Parlamento e do Conselho [da União Europeia], e não o de transformar as negociações interinstitucionais no seu campo de batalha ideológico”.

A posição negocial adotada pelo PE em outubro, disse também, é “equilibrada e possibilita uma Política Agrícola que garante alimentos de alta qualidade, suficientes, a preços acessíveis, por um lado, e um rendimento digno para os agricultores, por outro”. “A Europa e os Agricultores Europeus precisam de uma PAC viável e robusta: estamos a falar de 22 milhões de pessoas que dependem diretamente do setor agrícola”, acrescentou, questionando ainda “o silêncio da Ministra da Agricultura [Maria do Céu Antunes], em relação à ameaça do seu colega socialista holandês”.

Os signatários da carta endereçada à presidente da Comissão Europeia também pedem “que os procedimentos normais de tomada de decisão sejam respeitados, que a Comissão aja como um órgão colegial e as opiniões individuais de membros do Colégio, por muito apaixonadas que sejam, não minem a cooperação interinstitucional”.

As reuniões tripartidas (trílogos) sobre a PAC 2021-2027, proposta em agosto de 2018, iniciaram-se na terça-feira, depois do Conselho e o PE terem adotado as respetivas posições, devendo o processo negocial prosseguir até maio e concluído durante a presidência portuguesa da UE, que decorre no primeiro semestre de 2021.

O grupo político do PPE, a que pertence Ursula von der Leyen, é o maior do PE, seguido do dos Socialistas e Democratas (S&D), de Frans Timmermans.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PPE questiona Von der Leyen sobre ameaça de vice-presidente sobre a PAC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião