Biden quer criar três milhões de empregos e duplicar salário mínimo nos EUA

  • Lusa
  • 17 Novembro 2020

Plano de Biden é o de criar milhões de empregos bem pagos na indústria, na construção de carros, produtos e tecnologia. Salário mínimo deverá passar para os 15 dólares por hora.

O Presidente eleito dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, anunciou a intenção de criar três milhões de empregos, principalmente nas áreas tecnológicas e das energias renováveis, e de duplicar o salário mínimo para 15 dólares por hora.

O anunciou foi feito depois de Biden ser confrontado com as restrições que podem vir a ser implementadas para mitigar a propagação da pandemia no país.

“O nosso plano é criar milhões de empregos bem pagos na indústria, na construção de carros, produtos, tecnologia, de que precisaremos no futuro para ser competitivos com o resto o mundo”, disse o vencedor das eleições presidenciais norte-americanas de 03 de novembro, em Wilmington, Delaware.

A agência France-Presse (AFP) dá conta de que a intenção de Biden é criar três milhões de empregos nas áreas da tecnologia e das energias renováveis.

O democrata acrescentou que os grandes conglomerados financeiros, as empresas de maior dimensão e os cidadãos com maiores rendimentos vão pagar uma “parte justa” de impostos e que uma das intenções da próxima administração é aumentar o salário mínimo para 15 dólares por hora.

Atualmente, o salário mínimo é de 7,25 dólares por hora, de acordo com a informação disponibilizada pelo Departamento do Trabalho dos Estados Unidos.

O Presidente eleito também já tinha anunciado a criação de uma equipa para encontrar respostas à crise pandémica, que debilitou seriamente a economia norte-americano e fez disparar o desemprego, no país com o maior número de infeções pelos SARS-CoV-2 confirmadas.

Joe Biden foi declarado vencedor das presidências e derrotou o ainda Presidente e candidato republicano, Donald Trump, segundo as últimas projeções de vários órgãos de comunicação social, como, por exemplo, o The New York Times, a CNN e o The Washington Post.

Contudo, Donald Trump ainda não reconheceu a derrota e candidatura do republicano está a tentar a todo o custo reverter os resultados, enquanto vários elementos da administração estão a bloquear a processo de transição do atual chefe de Estado norte-americano para o sucessor.

Trump considera que houve fraude eleitoral e aponta o dedo aos democratas, acusação que foi replicada pelos apoiantes do Presidente, e reivindica, por isso, a recontagem dos votos em vários estados importantíssimos para ‘as contas’ das eleições e que Biden conquistou.

As acusações, no entanto, carecem de quaisquer evidências até agora e estão a ser rebatidas pelas autoridades judiciais e eleitorais dos estados visados.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Biden quer criar três milhões de empregos e duplicar salário mínimo nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião