Portugal arrecada 37,5 milhões do Fundo de Solidariedade da UE

  • Lusa
  • 16 Novembro 2020

Em causa está um pacote de ajuda de mais de 132,7 milhões de euros “em pagamentos antecipados [do FSUE] à Alemanha, Croácia, Espanha, Grécia, Hungria, Irlanda e Portugal para responder à pandemia.

A comissão de Orçamentos do Parlamento Europeu aprovou esta segunda a alocação de 37,5 milhões de euros do Fundo de Solidariedade da União Europeia (FSUE) para Portugal como “resposta à grave emergência de saúde pública” gerada pela Covid-19.

Em causa está um pacote de ajuda de mais de 132,7 milhões de euros “em pagamentos antecipados [do FSUE] à Alemanha, Croácia, Espanha, Grécia, Hungria, Irlanda e Portugal, como resposta à grave emergência de saúde pública provocada pela pandemia de Covid-19 no início do ano”, explica a assembleia europeia em comunicado.

Entre estes, Portugal é o Estado-membro que vai receber mais verbas do FSUE por causa da Covid-19, num total de 37,5 milhões de euros.

Este pagamento antecipado agora aprovado a Portugal foi solicitado por este (e outros países da UE) ao abrigo da Iniciativa de Investimento de Resposta à Crise do Coronavírus, que permitiu o alargamento da esfera de ação do FSUE para “responder a graves emergências de saúde pública”.

Os relatórios da comissão de Orçamentos do Parlamento Europeu que recomendam a aprovação desta ajuda europeia foram aprovados por unanimidade, com 40 votos a favor e nenhum contra ou nenhuma abstenção.

Estes documentos ainda têm de ser aprovados em sessão plenária da assembleia para, só depois, o apoio financeiro ser distribuído pela Comissão Europeia aos países.

Da aprovação de hoje nesta comissão parlamentar faz ainda parte a mobilização de 683,7 milhões de euros para a Croácia, de forma a “ajudar a reconstrução do país face aos efeitos devastadores do terramoto registado em Zagreb e nas suas proximidades em março de 2020”. Acrescem mais de sete milhões de euros que “são atribuídos à Polónia para auxiliar os seus esforços de reconstrução após as cheias de junho de 2020 que afetaram a província da Subcarpácia”, adianta o Parlamento Europeu na nota de imprensa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal arrecada 37,5 milhões do Fundo de Solidariedade da UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião