AGCS culpa Covid-19 por 257 milhões de prejuízo em nove meses

  • ECO Seguros
  • 18 Novembro 2020

O volume bruto de prémios da principal subsidiária do grupo Allianz cresceu perto de 6%, comparando com igual período de 2019, para cerca de 7,5 mil milhões de euros até final de setembro.

A Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS), principal subsidiária do grupo alemão na área de grandes riscos, reportou prejuízo operacional de 257 milhões de euros para os primeiros nove meses de 2021, uma quebra de 507 milhões em comparação com os 250 milhões positivos de um ano antes. O declínio no lucro derivou de menor rentabilidade do investimento e decréscimo de resultados na atividade de subscrição, revelou a companhia em comunicado.

A entidade desenvolve diversas linhas de negócio geridas por seis unidades regionais em todo o mundo. Cresceu em volume de prémios e preços, mas não escapou ao impacto da pandemia. As reclamações por sinistros associados à Covid-19 representaram impacto negativo de 493 milhões de euros.

O volume bruto de prémios da AGCS aumentou 5,7%, rondando 7,46 mil milhões de euros, a beneficiar de forte desempenho do negócio Capital Solutions, suportado por significativo aumento de preços (+22% em média nas renovações e novos negócios), indica o comunicado da companhia detalhando que o incremento de tarifas foi mais visível nas coberturas de aviação e propriedades, mas também em responsabilidade e linhas financeiras.

Também por efeito do impacto da pandemia, em particular no mercado entretenimento, o rácio combinado para os primeiros nove meses do ano foi calculado em 112%, contra 101,2% em idêntico período de 2019.

Excluindo os 493 milhões de euros de custos com a Covid-19, a empresa teria apresentado lucro de 269 milhões (+19 milhões do que um ano antes) e o rácio combinado teria melhorado para 100,4%, lê-se no update que sumariza os números da AGCS e da Allianz SE até setembro.

De acordo com anúncio divulgado em julho passado, a subsidiária da Allianz simplificou a estrutura geográfica da organização, reduzindo-a de sete para seis direções-gerais regionais. No âmbito da reorganização global, Nuno Antunes (ex-AIG) juntou-se à AGCS para dirigir a região Ibero LatAm.

As contas da AGCS reportam-se especificamente ao conjunto Allianz Global Corporate & Specialty SE (AGCS); Allianz Risk Transfer AG (ART); Allianz Risk Transfer (Bermuda) Ltd; Allianz Global Corporate & Specialty North America (AGCS NA), sob as designações legais Allianz Global Risks US Insurance Company, Allianz Underwriting Insurance e AGCS Marine Insurance Company; Fireman’s Fund Insurance Company e subsidiárias (FFIC), AGCS Japan, sob a designação legal Allianz Fire and Marine Insurance Japan Ltdd; AGCS Re Brazil, sob designação jurídica Allianz Global Corporate & Specialty Resseguros Brasil S.A.; e a Allianz Global Corporate & Specialty South Africa Ltd.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AGCS culpa Covid-19 por 257 milhões de prejuízo em nove meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião