Google vai ter serviço para abrir contas bancárias em 2021

  • Lusa
  • 19 Novembro 2020

Tecnológica norte-americana pretende “fazer dinheiro de uma maneira simples, segura e útil”.

A Google anunciou que vai ser possível abrir, em 2021, uma conta à ordem através da Google Pay, na mesma altura em que a empresa está a ser acusada de concorrência desleal pelo Governo dos Estado Unidos.

O serviço financeiro Google Pay, cuja versão mais recente está disponível a partir desta quinta-feira nos Estados Unidos da América (EUA), permite efetuar várias operações, mas a possibilidade de abrir uma conta à ordem, por exemplo, apenas vai estar disponível no próximo ano, dá conta um comunicado da gigante tecnológica norte-americana.

A opção “pagar” da app vai permitir fazer pagamentos ou transferências imediatas para os contactos, à semelhança de outras aplicações para smartphone, como, por exemplo, o MB Way, em Portugal.

Já a opção “explorar” vai ser utilizada para fornecer promoções aos utilizadores de outros serviços da Google, enquanto a “insights” (“conhecimento”, em português) permite consultar as finanças pessoais de um modo geral.

A tecnológica norte-americana pretende “fazer dinheiro de uma maneira simples, segura e útil”, acrescenta a nota, citada pela agência France-Presse (AFP).

A ‘carteira digital’ está disponível desde 2018 e já é utilizada por mais de 150 milhões de pessoas em 30 países.

O The Wall Street Journal indicou que a Google estabeleceu uma parceria com o banco norte-americano Citibank e uma cooperativa de crédito da Universidade de Stanford.

O anúncio ocorre na mesma altura em que as autoridades norte-americanas anunciaram o processo contra a Google por possíveis abusos de posição dominante.

O Departamento da Justiça lançou uma ação legal contra a empresa em outubro, baseando a acusação no modelo de negócios da empresa.

Washington acusa a tecnológica de Silicon Valley de violar as leis da concorrência e de reforçar o monopólio das pesquisas na ‘web’ e de publicidade de forma ilegal, através dos vários serviços que fornece, como, por exemplo, o Gmail, o Maps, entre outras.

À semelhança da Google, também o Facebook, a Apple e a Amazon investiram em serviços financeiros.

A rede social cofundada por Mark Zuckerberg, por exemplo, lançou no ano passado o Facebook Pay, que permite pagar produtos adquiridos diretamente através do Facebook ou no Instagram, ou até pedir e enviar dinheiro através do Messenger.

Contudo, todos estes serviços estão a gerar preocupação dentro de vários grupos de ativismo, que receiam a recolha ilícita de dados dos utilizadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google vai ter serviço para abrir contas bancárias em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião