Afinal a CPAS não vai aumentar as contribuições em 2021

O Conselho Geral da CPAS decidiu também dar parecer favorável ao novo benefício assistencial da proteção na doença para os mais de 35 mil beneficiários.

Afinal a CPAS não vai aumentar as contribuições em 2021. A Ordem dos Advogados (OA) já fez saber que, no decurso da reunião do Conselho Geral da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS), realizada esta sexta-feira, foi decidido que as contribuições para o sistema de previdência dos advogados não vão sofrer qualquer aumento em 2021. Este sistema de previdência tem cerca de 35 mil inscritos — a larga maioria advogados (mais de 30 mil).

Os advogados e solicitadores pagam, em média, mensalmente, no mínimo 256 euros para a CPAS, independentemente do que ganham de ordenado. Todos os anos, desde 2015, que esse valor tem vindo a aumentar. Medida aprovada, nessa altura, pela ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz.

O entendimento foi obtido entre a Ordem dos Advogados (OA), a Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução (OSAE) e a Direcção da CPAS, em que esta última aceitou rever a sua proposta para fator de correção do indexante contributivo para menos de 10%, o que implica a ausência de qualquer aumento nas contribuições durante o próximo ano.

O Conselho Geral da CPAS decidiu também dar parecer favorável ao novo benefício assistencial da proteção na doença, “o que permitirá que os advogados passem a beneficiar de maior proteção neste âmbito, o que era absolutamente essencial nestes tempos de pandemia”, explica o comunicado conjunto. Na prática, significa que os advogados, solicitadores e agentes de execução passam a receber um subsídio diário se estiverem doentes ou tiverem sofrido algum tipo de acidente. Semelhante a uma baixa médica a que os trabalhadores incluídos no regime de Segurança Social têm direito.

Esta decisão surge no momento em que a CPAS está ‘debaixo de fogo’ já que, na quinta-feira, a Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução exigiu a demissão do presidente, Carlos Pinto de Abreu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal a CPAS não vai aumentar as contribuições em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião