Governo proíbe circulação entre concelhos nos feriados. Aulas suspensas e tolerância de ponto nas vésperas

Devido aos feriados de 1 e 8 de dezembro, o Governo decretou proibição de circulação entre concelhos. Nas vésperas dos feriados não haverá aulas e a função pública tem tolerância de ponto.

O Governo definiu novas medidas para os próximos 15 dias, algumas delas especificamente para os feriados de dezembro que permitem fazer “ponte”. Para evitar a propagação do vírus, ficará proibida a circulação entre concelhos, sendo que nas vésperas dos dias 1 e 8 haverá tolerância de ponto para os funcionários públicos, enquanto as escolas vão ser encerradas.

“Vamos ter dois feriados, a 1 e 8 de dezembro, e muitas vezes os feriados convidam à realização de pontes. Em todo o continente, entre as 23h do dia 27 de novembro e as 5h do dia 2 de dezembro, e entre as 23h do dia 4 de dezembro e as 5h do dia 9 de dezembro, vigorará a proibição de circulação entre concelhos“, anunciou o primeiro-ministro, em conferência de imprensa.

“Quando proibimos a circulação entre concelhos, não está demonstrado que é a circular nas autoestradas nem a ir à ‘terra’ que as pessoas se contaminam. O que está demonstrado é que quanto maior é o número de deslocações e o número de contactos, maior é a possibilidade de transmissão do vírus”, justificou António Costa. “Portanto, temos de limitar ao mínimo possível as deslocações e todos os contactos e eliminar tudo o que é possível eliminar de deslocações e ajuntamentos que não sejam absolutamente essenciais”.

Relativamente às “segunda-feiras que antecedem os feriados”, continuou António Costa, foi determinada a “suspensão das atividades letivas a 30 de novembro e 7 de dezembro”.

Além disso, o Governo decidiu dar “tolerância de ponto à Administração Pública” e apela ao setor privado para que “suspenda a sua laboração”, de forma a que haja “no início de dezembro quatro dias com risco de circulação reduzida”, explicou o primeiro-ministro.

Na mesma conferência de imprensa, António Costa anunciou ainda dois novos níveis de risco — “muito elevado” e “extremamente elevado” –, bem como medidas específicas para cada concelho, de acordo com o nível de risco em que estes se inserem. Esta semana vão ser anunciadas mais medidas de apoio à restauração, mas também no que toca às rendas comerciais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo proíbe circulação entre concelhos nos feriados. Aulas suspensas e tolerância de ponto nas vésperas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião