Boeing 737 Max regressa aos céus em janeiro, quase dois anos depois do último acidente

A Boeing recebeu aprovação da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) para colocar novamente ao serviços os Boeing 737 Max.

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA, na sigla em inglês) acredita que o Boeing 737 Max está totalmente seguro e operacional após uma revisão de segurança. Depois de quase dois anos parado devido aos dois desastres aéreos que vitimaram centenas de pessoas, o regulador europeu acredita que este modelo de aeronave estará pronto para voltar aos céus em janeiro.

“Queríamos fazer uma revisão totalmente independente da segurança desta aeronave, por isso fizemos as nossas próprias verificações e testes de voo”, disse Patrick Ky, diretor executivo da EASA durante o Paris Air Forum, citado pela Reuters (conteúdo em inglês).

“E todos esses testes permitiram concluir que o 737 Max pode voltar ao serviço. Já começámos a colocar em prática todas as medidas”, notou o responsável, acrescentando: “É provável que tomemos uma decisão que permita o regresso ao serviço em algum momento de janeiro”.

Para além desta “luz verde” do regulador europeu, na quarta-feira o Boeing 737 Max recebeu também aprovação da Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) para regressar aos céus nos Estados Unidos em dezembro, permitindo que companhias aéreas que tenham estas aeronaves possam retomar os voos com elas. Contudo, há países onde esta autorização ainda não foi concedida, como o Brasil.

Os Boeing 737 Max estão parados há quase dois anos, depois de dois desastres aéreos fatais. O primeiro aconteceu a 28 de outubro de 2018 com um voo da Lion Air, que se despenhou na Indonésia devido a uma série de falhas, vitimando 189 pessoas. O segundo foi num voo da Ethiopian Airlines, a 4 de abril de 2019, com o avião a despenhar-se seis minutos depois de ter levantado voo do Aeroporto de Addis Abeba, na Etiópia, devido a uma falha no sensor, matando 157 pessoas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boeing 737 Max regressa aos céus em janeiro, quase dois anos depois do último acidente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião