Galp dispara 4% em Lisboa. Bolsas avançam com fim de impasse na Casa Branca

Trump deu instruções à sua equipa para iniciar a transição de poder na Casa Branca. Fim do impasse político nos EUA puxa pelas bolsas europeias. Lisboa avança com Galp a disparar 4%.

Após semanas de recusa, Donald Trump deu finalmente autorização para a sua equipa iniciar transição de poder a favor de Joe Biden. O fim do impasse na Casa Branca está a animar as bolsas. Lisboa avança mais de 1% com a Galp a subir 4%.

O ainda Presidente dos EUA “recomendou” à sua equipa e à Administração dos Serviços Gerais do país que iniciassem os protocolos para a transição da atual administração para a de Joe Biden, segundo anunciou Trump no Twitter.

Depois de uma sessão positiva nos mercados asiáticos, o otimismo marca a abertura dos principais índices europeus, com o Stoxx 600 a somar 0,8%. Também o Dax-30 alemão avança 0,9% e em Paris e Madrid os ganhos são de 1,1% e 1,2%, respetivamente.

Por cá, o PSI-20, o principal índice português, soma 1,01% para 4.494,09 pontos, sendo que apenas três cotadas estão a negociar abaixo da linha de água.

A Galp volta a liderar os ganhos na bolsa nacional, avançando 3,98% para 9,54 euros. A petrolífera nacional é das cotadas que mais tem beneficiado com as novas perpetivas para a pandemia com as vacinas contra a Covid-19, anunciadas nas últimas semanas.

Galp volta a acelerar

Entre os pesos pesados, destaque ainda para o BCP, cujos títulos sobem 1,24% para 0,1141.

No setor do papel, a Navigator soma 1,65% para 2,346 euros e a Altri valoriza 1,64% para 4,202

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp dispara 4% em Lisboa. Bolsas avançam com fim de impasse na Casa Branca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião