Com juros da dívida muito perto de 0%, bolsa sobe mais de 1%

PSI-20 teve um dos melhores registos na Europa num dia em que os juros a 10 anos fixaram um novo mínimo de sempre.

No dia em que os juros portugueses atingiram um novo mínimo, muito perto de zero, a bolsa nacional voltou a somar mais de 1% para máximos de quase seis meses, naquela que foi a quarta sessão seguida a ganhar. Lisboa registou um dos melhores desempenhos na Europa.

A yield associada às obrigações portugueses a dez anos atingiu esta quarta-feira os 0,027%, praticamente zero e quase a entrar em terreno negativo, o que seria inédito nesta maturidade da dívida portuguesa. Na prática, esta situação beneficia Portugal na medida em que nas próximas idas ao mercado terá custos de financiamento muito baixos, constituindo também um bom indicador de risco para as empresas e bancos nacionais.

Juros a 10 anos perto de zero

Fonte: Reuters

Também as ações nacionais tiveram um comportamento positivo. O PSI-20, o principal índice acionista português, valorizou 1,26% para 4.628,63 pontos, o valor mais elevado desde o início de junho. Há quatro sessões que a praça portuguesa fecha em alta, o que tem sobretudo a ver com as notícias em torno das vacinas contra a Covid-19, que fornecem perspetivas mais positivas em relação à pandemia e ao andamento da economia.

Os melhores desempenhos pertenceram à Ibersol e aos CTT, com avanços superiores a 4%. No primeiro caso, a empresa de restauração beneficiou do otimismo dos investidores com a tal vacina, que poderá devolver a normalidade mais cedo do que se poderia esperar inicialmente. No operador dos correios, a subida dá-se num momento em que o Governo se encontra a negociar com o PCP uma eventual entrada no capital da empresa, conforme avançou o ECO na passada sexta-feira.

Entre os pesos pesados, o BCP somou 2,43% para 0,1224 euros, sendo que o banco é muito sensível à evolução dos juros da dívida. EDP e EDP Renováveis ganharam 1,65% e 2,46%, respetivamente, e a Jerónimo Martins avançou 1,61% para 14,17 euros.

Apenas cinco cotadas nacionais encerraram abaixo da linha de água, com destaque para os títulos da Nos e da Galp, que registaram descidas de 2,38% e 1,0%, respetivamente.

Lisboa liderou ganhos na Europa. O índice de referência europeu Stoxx 600 até encerrou o dia a perder 0,1%. Já as praças de Madrid, Paris e Frankfurt observaram subidas entre 0,1% e 0,3%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com juros da dívida muito perto de 0%, bolsa sobe mais de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião