DGERT vai explicar como pais podem justificar falta nas vésperas dos feriados

Ministra do Trabalho esclareceu que a DGERT irá esclarecer a forma como os pais poderão justificar as faltas nas duas vésperas dos feriados de 1 e 8 de dezembro.

Será a Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT) que vai esclarecer a forma como os pais poderão justificar as faltas ao trabalho nas duas vésperas dos feriados de 1 e 8 de dezembro, adiantou a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho.

“Sobre quais serão os artigos aplicáveis, remeterei para a DGERT, que fará um conjunto de perguntas e respostas para ajudar nos esclarecimentos”, adiantou a governante esta quarta-feira após a reunião de concertação social.

Mendes Godinho confirmou que os trabalhadores do setor privado terão as faltas justificadas nesses dois dias (30 de novembro e 7 de dezembro) para ficarem em casa com os filhos, dado que as escolas vão estar encerradas. Também confirmou uma notícia avançada pelo ECO, de que estes trabalhadores não terão direito ao apoio excecional que vigorou quando as aulas estiveram suspensas no ano letivo passado, entre março e julho.

Não se aplica o apoio extraordinário que foi criado para aqueles momentos em que durante longos períodos de tempo, massivamente, os pais tiveram de ficar em casa. Esse apoio foi criado para um outro contexto, para o ano letivo de 2019/2020, que era diferente do atual”, disse a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Ana Mendes Godinho aproveitou para reiterar o apelo do primeiro ministro para que também as empresas concedam tolerância de ponto aos seus trabalhadores nas vésperas dos feriados, como vai acontecer na administração pública, isto quando muitas empresas já anunciaram que não tencionam encerrar portas. “É preciso um esforço coletivo para nestes dias termos menos movimentos e menos contactos”, disse.

Sobre outros temas, a ministra esclareceu que a próxima reunião com os parceiros sociais se dedicará exclusivamente ao tema do salário mínimo nacional, quando está em cima da mesa um valor de aumento acima dos 20 euros.

Adiantou ainda que o Governo conta receber até ao próximo dia 15 de dezembro os contributos dos parceiros sociais sobre o Livro Verde sobre o Futuro do Trabalho, sobre a regulação laboral das plataformas digitais e outras relações de emprego atípicas. Depois, o documento irá para consulta pública.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DGERT vai explicar como pais podem justificar falta nas vésperas dos feriados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião