Finanças “estupefactas” com PSD por causa do Novo Banco

  • ECO
  • 26 Novembro 2020

Finanças dizem que a postura do PSD revela "falta de sentido de Estado e de defesa dos interesses país”.

O PSD juntou-se à esquerda para impedir que seja feita qualquer transferência para o Novo Banco no próximo ano, decisão que surpreendeu o Ministério das Finanças.

Ao ECO, fonte oficial do ministério de João Leão diz que ficou “estupefacta” com “a posição do PSD, de completa irresponsabilidade” ao votar a favor da proposta do Bloco de Esquerda que impede que o Fundo de Resolução possa transferir dinheiro para o banco liderado por António Ramalho.

As Finanças dizem que a postura do PSD revela “falta de sentido de Estado e de defesa dos interesses país”.

O Fundo de Resolução terá de recapitalizar o Novo Banco em 2021 para que seja cumprido o contrato acordado aquando da venda ao fundo de investimento norte-americano Lone Star, que prevê que a cobertura de perdas com ativos tóxicos do BES até 3.890 milhões de euros.

Ao ser bloqueada esta verba, o Governo terá de apresentar um Orçamento Suplementar para acomodar o montante que o banco irá necessitar, tendo de conseguir fazê-lo passar no Parlamento.

Até agora foram injetados 2.976 milhões de euros, sendo que haverá necessidade fazer uma nova injeção em 2021 com base nas contas deste ano. Em meados do ano, o Novo Banco contabilizava em 186 milhões de euros as necessidades de capital. No entanto, com o agravar dos prejuízos para 800 milhões de euros até setembro poderá ter de pedir bem mais do que esse montante estimado no primeiro semestre.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças “estupefactas” com PSD por causa do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião