Idosos e profissionais da saúde devem ser “prioritários” nas vacinas da Covid-19

  • Lusa
  • 27 Novembro 2020

O secretário-geral da Organização Mundial de Saúde afirmou que quando começarem a ser distribuídas vacinas contra a Covid-19, os idosos e trabalhadores da saúde devem ser prioritários.

O secretário-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou esta sexta-feira que quando começarem a ser distribuídas vacinas contra a covid-19 “os trabalhadores da saúde, os idosos e outros grupos de risco serão considerados prioritários para a vacinação”.

Tedros Adhanom Ghebreyesus falava uma conferência de imprensa virtual, a partir de Genebra, sobre a pandemia de Covid-19, durante a qual salientou a importância dos testes e disse que estão a ser avaliados mais de 50 diagnósticos, incluindo testes autoadministrados.

“À medida que as vacinas forem sendo lançadas, os testes continuarão a desempenhar um papel vital”, disse, acrescentando: “Inicialmente, os trabalhadores da saúde, os idosos e outros grupos de risco serão considerados prioritários para a vacinação”. Segundo o responsável essa situação ainda deixará “muito espaço de manobra” ao vírus, pelo que os testes continuarão a ser “um instrumento vital” para controlar a pandemia.

A questão de quem deve ter prioridade nas vacinas à Covid-19 gerou polémica esta sexta-feira em Portugal, com a possibilidade, noticiada na imprensa, de que maiores de 75 anos sem comorbilidades ficavam de fora do acesso prioritário à vacina.

O Presidente da República considerou-a uma “ideia tonta” e o primeiro-ministro já rejeitou essa possibilidade. A questão surgiu por haver uma proposta de especialistas da Direção-Geral da Saúde (DGS) de que pessoas entre os 50 e os 75 anos com doenças graves, funcionários e utentes de lares de idosos e profissionais de saúde devem ser os primeiros a ser vacinados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Idosos e profissionais da saúde devem ser “prioritários” nas vacinas da Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião