BRANDS' ECOSEGUROS CA Vida: 22 anos ao lado dos clientes, de olhos postos no futuro

  • ECOSeguros + CA Vida
  • 30 Novembro 2020

A 30 de novembro completam-se 22 anos de experiência da CA Vida no mercado segurador. António Castanho, presidente do Conselho de Administração Executivo, fala deste percurso e da ambição futura.

Nascemos para complementar o Grupo CA no desenvolvimento do negócio de bancasseguros, e hoje somos reconhecidamente uma das maiores seguradoras do mercado nacional.

Desde 1998, centramos a nossa atuação no customer experience, o que nos conduziu desde sempre a investir no desenvolvimento de produtos, na qualidade do serviço prestado e na proximidade com os clientes, valores e orientações que fazem da CA Vida uma seguradora Vida feita de pessoas para pessoas, que protege o futuro e cuida da vida dos seus clientes.

Três anos consecutivos a liderar o Índice de satisfação do cliente, fazem da confiança depositada pelos nossos clientes e da credibilidade da CA Vida no mercado, o maior reconhecimento destes 22 anos de experiência. Foram muitos os desafios, muitos sucessos e obviamente alguns insucessos, que nunca seriam possíveis de alcançar sem o apoio e colaboração diária da nossa equipa com pouco mais de 50 colaboradores, com o suporte comercial da Rede de Distribuição exclusiva Crédito Agrícola com mais de 600 agências, aos quais deixamos a nossa palavra de agradecimento pela dedicação e empenho prestado.

Acreditamos, no entanto, que o maior desafio ainda está para vir. O futuro do negócio Vida e a sua adaptação aos novos modelos de consumo. É neste objetivo que a CA Vida está a orientar toda a sua estratégia e a dotar-se dos meios necessários para garantir que atinge com sucesso este novo desafio. Mas nem tudo depende das seguradoras, terá de haver um esforço concertado entre seguradoras e poder político para se inverter a queda verificada no Ramo Vida.

O negócio vida tem, em 2019 e 2020, uma significativa quebra da sua produção. Um cenário agravado com as contingências que a pandemia nos obriga a viver, que impedem as Redes de Distribuição de funcionaram no seu pleno e de se relacionarem com os clientes, o que dificulta a atividade comercial, levando a uma natural contração das seguradoras em introduzir novas soluções e dinâmicas comerciais.

O crescimento económico está fundamentalmente assente no estímulo do consumo interno, o que vem provocando uma profunda mudança nos comportamentos de consumo na nossa sociedade e condicionando a poupança nos últimos anos a valores mínimos. Uma tendência agravada, ainda mais, pela evolução negativa das taxas de juro que limitam os níveis de retorno dos produtos das seguradoras, assim como, tem vindo a dificultar a captação de novos clientes.

O desafio que se coloca à CA Vida, em particular, mas a todas as seguradoras é como podemos inverter este cenário e enfrentamos o futuro no negócio vida.

"A CA Vida acredita que pode contribuir para a mudança preparando-se para responder eficientemente aos novos padrões de consumo. É para nós evidente que será necessário mudar a relação com o cliente. ”

Um fator determinante será a revisão da solvência que permita a libertação dos capitais próprios das seguradoras para investimentos em horizontes temporais que permitam soluções mais atrativas para os clientes e que ofereçam segurança e rentabilidade. Em paralelo, o sistema político deveria reforçar o incentivo à poupança com a reposição dos benefícios fiscais nos PPR, o que iria permitir aliviar o peso das reformas sobre a Segurança Social e estimular a poupança pelos portugueses para salvaguarda do seu futuro. Duas medidas que em simultâneo, potenciam o desenvolvimento de novas soluções por parte das seguradoras e incrementarão os níveis de poupança dos clientes.

Nos últimos anos, a CA Vida reduziu significativamente a comercialização de produtos de capitalização, designadamente, os produtos com rentabilidade e capital garantido. Contudo, tem mantido soluções de investimento com retornos expectáveis bastante atrativos. A agilidade das seguradoras em responder a janelas de oportunidade será determinante para que estas se adaptem às contingências que o mercado venha a apresentar.

A CA Vida acredita que pode contribuir para a mudança preparando-se para responder eficientemente aos novos padrões de consumo. É para nós evidente que será necessário mudar a relação com o cliente. No negócio Vida as interações com o cliente ao longo de um contrato, a grande maioria de longo prazo, resumem-se a 2 ou 3 momentos: subscrição, pagamento e sinistro, sendo que a proximidade com o cliente é uma premissa que tem de ser reforçada, colocando-se o foco de toda a estratégia no cliente, desenvolvendo soluções mais completas, mais flexíveis e personalizáveis que respondam melhor às verdadeiras expectativas dos clientes e das novas gerações.

Uma proximidade que se consegue estando onde o cliente quer que estejamos. Seja no aconselhamento de uma agência ou no conforto da sua casa, para prestar um esclarecimento ou subscrever um seguro de vida. Esta realidade, em que o cliente é quem que dita as regras, só é possível investindo na transformação digital e na agilização dos processos de subscrição e contratação dos seguros vida. Um caminho inevitável para quem trabalha o futuro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CA Vida: 22 anos ao lado dos clientes, de olhos postos no futuro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião