Uber Eats quer chegar a 75% dos portugueses até final de 2021

Plano de expansão da plataforma de food delivery passa por chegar a mais um milhão de clientes até final de 2021. Operação nacional cresceu 160% no primeiro semestre deste ano.

A Uber Eats quer chegar a mais um milhão de portugueses até ao final do próximo ano e aumentar para 75% a cobertura de habitantes em território nacional. O plano de expansão para 2021, detalha Diogo Aires Conceição, novo general manager da empresa para o mercado português, em entrevista ao ECO, passa por crescer em número de cidades e também pela diversificação da oferta.

Até ao final deste ano, a plataforma alarga a área de entregas e chega a localidades como Castelo Branco, Torres Novas, Portalegre, Felgueiras e Trofa. “No próximo ano, queremos chegar a 75% da população — estamos neste momento nos 65% e queremos, pelo menos, chegar a mais um milhão de pessoas”, explica o responsável ao ECO.

Além do alargamento geográfico, a Uber planeia alargar a oferta de produtos disponíveis aos utilizadores. “Queremos fazer com que este serviço não seja apenas de conveniência mas seja um serviço do dia-a-dia. Queremos que usar a Uber Eats seja quase tão natural como beber água, uma coisa que as pessoas fazem todos os dias. E, para isso, precisamos de ter uma diversidade de serviços na plataforma que faça com que as pessoas lá vão por várias razões, mas que o serviço seja acessível do ponto de vista monetário e financeiro”, sublinha.

No próximo ano, queremos chegar a 75% da população – estamos neste momento nos 65% e queremos, pelo menos, chegar a mais um milhão de pessoas.

Diogo Aires Conceição

General manager da Uber Eats Portugal

As vendas via Uber Eats dos restaurantes presentes na plataforma cresceram 160% na primeira metade deste ano, face aos números do mesmo período do ano anterior. Lançada em Portugal em novembro de 2017, a Uber Eats conta atualmente com mais de 6.000 parceiros de restauração na plataforma e está presente em 65 cidades portuguesas. Internacionalmente, a plataforma conta com mais de 500 mil parceiros em mais de 6.000 cidades de 30 países diferentes. Mundialmente, a pandemia fez crescer o negócio 135% face ao mesmo período do ano anterior, gerando 8,6 mil milhões de dólares no terceiro trimestre de 2020.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber Eats quer chegar a 75% dos portugueses até final de 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião