“O maior desafio são os carros e a mobilidade”, assume Fernando Medina

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa falou no Web Summit sobre o sucesso das ciclovias em Lisboa e destacou aquela que considera ser "uma experiência promissora" em matéria de sustentabilidade.

“O nosso maior desafio são os carros e a mobilidade. A mobilidade é o que mais consome energia fóssil”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, na sua intervenção no Web Summit, durante a qual refletiu sobre o presente e o futuro de uma capital mais sustentável.

Lisboa é este ano a cidade Capital Verde Europeia 2020 e, um dos exemplos da aposta numa cidade mais “verde” foi o programa da câmara municipal criado para apoiar a compra bicicletas, anunciado em julho. Fernando Medina acredita que tem sido “uma experiência promissora”, mas há “ainda muito a fazer”.

O autarca realçou a importância da economia circular, e da produção e consumo com menos recursos, no combate ao impacto das alterações climáticas e destacou os projetos que têm sido postos em prática em Lisboa. Entre eles, o incentivo ao uso de transportes públicos através do reforço das ciclovias na cidade, mas admite que ainda há resistência, em Portugal e no resto da Europa. “Temos um problema com carros. É uma realidade em todo o lado”, sublinhou.

Este ano, a câmara municipal criou um programa com 1,5 milhões de euros para apoiar a aquisição de bicicletas convencionais e adaptadas para pessoas com mobilidade reduzida (elétricas ou não), dos quais um milhão de euros para bicicletas assistidas eletricamente e 500 mil euros para bicicletas de carga.

Em Lisboa, cada bicicleta partilhada é usada dez vezes por dia, mas ainda não é um transporte de eleição, pois em 70% dos casos é usada apenas para pequenas deslocações e nas horas de maior trânsito. “Estou ansioso por ouvir todas as boas ideias sobre o tema”, referiu.

 

Além de Lisboa, o autarca lembrou o potencial de Portugal — por ser o país com maior exposição solar diária da Europa –, no que diz respeito à produção elétrica por fontes de energia renovável.

“A ideia de microprodução e de uma rede com milhares de produtores, em que cada um pode produzir a sua energia, é algo que está em grande desenvolvimento em Portugal”, sublinhou, lembrando a aposta no consumo de energia renovável, nomeadamente em edifícios nas 25.000 casas detidas pela autarquia.

Lisboa é uma “experiência promissora”, mas ainda há um caminho a fazer. “Se agirmos atempadamente, poderemos fazer a diferença. Em muitas dimensões, a vida que levamos não é sustentável”, lembrou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“O maior desafio são os carros e a mobilidade”, assume Fernando Medina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião