Web Summit from home: o que não perder no 2.º dia

Da saúde à tecnologia, passando pelo desporto, há muitos oradores para ver no Web Summit. Selecionamos o que não pode mesmo perder na primeira edição totalmente online do evento.

O segundo dia da Web Summit, que este ano é totalmente online, vai trazer caras ligadas a alguns dos principais temas que marcam 2020. Na saúde, para falar dos desafios ligados à pandemia, os mais de 100 mil participantes vão poder ouvir a ministra Marta Temido ou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde. Entre os oradores do segundo dia, numa altura em que as ferramentas digitais ganharam uma nova importância, encontram-se também os líderes da Microsoft e do Zoom.

Um dos primeiros destaques do dia encontra-se no canal dedicado aos criadores. O evento arranca ao meio-dia com o treinador português José Mourinho, que vai receber o prémio de inovação no desporto da Web Summit.

No canal principal, às 12h30, o vice-presidente executivo da Comissão Europeia Valdis Dombrovskis fala sobre como construir uma economia europeia para as pessoas. Uma hora depois, uma conversa sobre os desafios que as cidades enfrentam vai juntar os presidentes da Câmara de Lisboa, Londres e Toronto.

Já o canal dedicado a Portugal arranca às 14h00 com a ministra da Saúde, Marta Temido, que irá falar sobre a forma como o país está a lidar com a pandemia de Covid-19. Este canal irá também contar com intervenções de fundadores de startups de cinco minutos, como é o caso de André Jordão, fundador e CEO da Barkyn, às 14h20, e do fundador da OutSystems, Paulo Rosado, às 15h45.

Ainda no palco nacional, o CEO da Galp fala sobre os desafios da descarbonização às 15h50. Passando para o canal dedicado à sociedade, o primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchéz tem uma mensagem para os participantes da Web Summit, às 16h40. Também neste palco, o presidente da Microsoft, Brad Smith, irá discutir, às 17h45, o papel da tecnologia na recuperação económica.

Voltando novamente ao palco principal, às 16h30 é a vez de Julie Sweet, CEO da Accenture, arrancar conversa com Sanda Ojiambo e Drake Baer sobre “Estratégia para um mundo melhor”. De seguida, o fundador e CEO da Zoom, Eric Yuan, uma das empresas que ganhou destaque neste ano, ao providenciar uma ferramenta para as empresas comunicarem por videochamada, vai falar sobre o novo panorama, às 17h30.

A fechar o palco principal, estará, às 20h30, o vice-presidente do Tik-Tok, a falar sobre o presente e o futuro da empresa e, logo a seguir, às 21h00, o Centre Channel encerra trabalhos com uma das caras que se tornou conhecida do público este ano, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Web Summit from home: o que não perder no 2.º dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião