China vai construir 10 mil quilómetros de ligações ferroviárias até 2025

  • Lusa
  • 4 Dezembro 2020

Novas linhas visam modernizar as ligações na zona do delta do rio Yangtse, na região de Pequim-Tianjin-Hebei e na Área da Grande Baía.

A China vai construir 10.000 quilómetros de ligações ferroviárias urbanas e interurbanas nos próximos cinco anos para melhorar o transporte em áreas que considera estratégicas para o desenvolvimento, anunciou esta sexta-feira o órgão máximo de planeamento económico chinês.

Segundo a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, as novas linhas visam modernizar as ligações na zona do delta do rio Yangtse, na região de Pequim-Tianjin-Hebei e na Área da Grande Baía.

Esta última região consiste numa megametrópole que integra Hong Kong e Macau e as principais cidades da província de Guangdong, no sudeste da China, visando criar uma área de inovação tecnológica e um centro financeiro mundial.

O “desenvolvimento coordenado dessas três regiões é uma das estratégias mais importantes do Partido Comunista Chinês (PCC) para consolidar o crescimento económico do país”, acrescentou o órgão de planeamento.

“Estas regiões constituem aglomerados urbanos e metropolitanos mais importantes, pelo que é necessário desenvolver uma rede de transportes moderna, tendo o tráfego ferroviário como espinha dorsal“, lê-se na mesma nota.

Pequim espera aprovar um total de 4.400 quilómetros de ferrovias ainda este ano, numa altura em que as autoridades do país decidiram aumentar os seus investimentos em infraestrutura, “para impulsionar a economia”, informou o China State Railway Group em julho.

Daquela extensão, 2.300 quilómetros correspondem a linhas ferroviárias de alta velocidade. O país asiático representa já mais de metade das ligações de alta velocidade do mundo.

A China acelerou a retoma dos projetos ferroviários com um investimento em ativos fixos que atingiu 325,8 mil milhões de yuan (mais de 41.000 milhões de euros), no primeiro semestre deste ano, segundo a firma estatal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China vai construir 10 mil quilómetros de ligações ferroviárias até 2025

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião