Donos dos restaurantes Praia entram na estrutura acionista da Media Capital

  • Lusa
  • 4 Dezembro 2020

O consórcio Biz Partners, que detém cerca de 12% da Media Capital, anunciou ao regulador dos mercados a entrada da Publithings na sua estrutura acionista.

O consórcio Biz Partners, que detém perto de 12% da Media Capital desde 2 de novembro, comunicou ao regulador dos mercados uma alteração na sua estrutura acionista, para a entrada da Publithings.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o consórcio diz que sua acionista Hiper Go reduziu a sua participação no capital social, uma vez que, no passado dia 23 de novembro, alienou 20.000 ações à Publithings, que tem como beneficiário efetivo José Nuno Martins Santana, dono do grupo de restauração Praia.

A Biz Partners passa assim a ser detida, em 16,7049%, pela Hiper Go, que tem como beneficiário efetivo Miguel Maria Bragança Cunha Osório Araújo, e em 16,7049% pela IBG – International Business Group Portugal (Zona Franca da Madeira) que tem como beneficiário efetivo Isabel Maria Araújo Rodrigues de Sá.

Entre os restantes acionistas, 16,7049% são detidos pela Castro Group, que tem como beneficiário efetivo Paulo Jorge Gomes Rodrigues Pereira de Castro, 16,7049% pela Publithings, Unipessoal, que tem como beneficiário efetivo José Nuno Martins Santana, 16,4753% pela Capitais Privados, que tem como beneficiário efetivo João Amaro Martins de Barros, 8,3525% pela Regimidia, Unipessoal, que tem como beneficiário efetivo António Manuel Mateus Antunes e 8,3525% pela Benecar, Automóveis, S.A., que tem como beneficiário efetivo Nuno Grosa Faustino da Silva

Em 4 de setembro, o grupo espanhol Prisa, que detém a Media Capital através da Vertix SGPS, anunciou a venda da totalidade (64,47%) da sua posição na dona da TVI a vários investidores, por 36,85 milhões de euros.

Em 25 de novembro, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) geral obrigatória sobre 69,78% da Media Capital, sendo que a contrapartida nunca será inferior a 67 cêntimos por ação, segundo o anúncio preliminar, “dando assim cumprimento à determinação” da CMVM.

Está também a decorrer uma outra OPA, lançada pela Cofina.

A dona do Correio da Manhã lançou em 12 de agosto uma OPA sobre a totalidade do capital da Media Capital, alterando a oferta de 21 de setembro de 2019, sendo o valor de referência proposto de 0,415 euros por ação, a que corresponde um montante total de 35 milhões de euros e considera um ‘entreprise value’ de cerca de 130 milhões de euros.

A Media Capital contava, em 3 de novembro, como acionistas, para além da Pluris Investments (30,22%), com a Triun (23%), Biz Partners (11,97%), CIN (11,20%), Zenithodyssey (10%), Fitas & Essências (3%), DoCasal Investimentos (2,5%) e o NCG Banco (5,05%).

O Conselho de Administração da dona da TVI conta com Mário Ferreira como presidente e Paulo Gaspar (do grupo Lusiaves) como vice-presidente.

Integram ainda o órgão, composto por nove membros efetivos, Cristina Ferreira, apresentadora e diretora de entretenimento e ficção da TVI, Avelino Gaspar (Lusiaves), Luís Cunha Velho (que era presidente interino da Media Capital), João Serrenho (CIN), Miguel Osório Araújo (ex-quadro da Sonae), Rui Freitas (Zenithodyssey) e Paula Ferreira (Pluris Investments).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donos dos restaurantes Praia entram na estrutura acionista da Media Capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião