Portugal trava entrada de lixo italiano, mas tem de pagar fatura

  • ECO
  • 10 Dezembro 2020

O Governo impediu a entrada em Portugal de 3,6 mil toneladas de resíduos vindos de Itália. Mas sem acordo sobre o que fazer ao lixo, será o Estado português a pagar a fatura do seu tratamento.

O Governo português suspendeu a importação de resíduos para tratamento ou depósito em aterros nacionais, mas não foi a tempo de impedir a entrada em território português de quase 3,6 mil toneladas de lixo vindas de Itália, resíduos acomodados em 144 contentores que aportaram em Leixões e Sines.

As autoridades portuguesas impediram o desembarque dos resíduos, mas, sem acordo para devolver o lixo ou o enviar para outro local, o Estado português viu-se obrigado a assumir a tarefa de enviar os resíduos para destino final adequado, com a fatura a ser paga pelos contribuintes portugueses, noticiou o Observador (acesso pago).

Segundo o jornal, o valor máximo estimado é de dois milhões de euros e a fatura será suportada pelo Fundo Ambiental, que é financiado por contribuições, impostos e taxas ambientais, mas também venda de licenças de CO2.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal trava entrada de lixo italiano, mas tem de pagar fatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião