Luxury Hunting: Falar de beleza será um luxo em 2021?

Os clientes do luxo esperam relacionamentos sofisticados, acesso a serviços de pós-venda integrados, experiências únicas e transparência. Cláudia Mateus explica como será no setor da beleza.

Num recente relatório da Mazars são apontadas algumas ideias para o futuro dos negócios do luxo:

  • Novos clientes e procura levam as marcas de luxo a abordar a sustentabilidade e construir alianças intersectoriais;
  • Os clientes do luxo esperam cada vez mais relacionamentos sofisticados e de longo prazo com as marcas, acesso a serviços de pós-venda integrados, experiências únicas e transparência – tudo possibilitado por tecnologias digitais;
  • Clientes chineses afluentes, HENRYs (High Earning Not Rich Yet) e a Geração Z impulsionam a transformação e o crescimento do luxo.

E se há setor que se transformou no último ano foi o da beleza e cosmética. O consumidor mudou, os nossos hábitos mudaram e as marcas tiveram que se desafiar e encontrar novas formas de conquistar o cliente.

Cláudia Mateus da Estée Lauder Company e com várias marcas no segmento de luxo, ajuda-nos a refletir sobre o que será o futuro da beleza e da cosmética de luxo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Luxury Hunting: Falar de beleza será um luxo em 2021?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião