Autoridades americanas investigam esquemas fraudulentos nascidos durante pandemia

  • Lusa
  • 15 Dezembro 2020

As perdas sofridas pelas vítimas dos vários esquemas desde o início de 2020 estão estimadas em mil milhões de dólares (823 milhões de euros).

Autoridades federais e estaduais dos EUA estão a reprimir uma série de esquemas ilegais, que proliferaram durante a pandemia e se aproveitaram do desespero das pessoas que perderam os empregos na crise da economia.

Os esquemas vão desde trabalho em casa para revenda de produtos de luxo até a “pirâmides”, em que se solicita dinheiro, passando por promessas de ganhos rápidos em investimentos fraudulentos.

As perdas sofridas pelas vítimas dos vários esquemas desde o início de 2020 estão estimadas em mil milhões de dólares (823 milhões de euros).

As pessoas mais vulneráveis a estes esquemas são idosos e reformados, imigrantes, negros e latinos, estudantes e famílias de militares.

“Estes criminosos estão a aproveitar-se de situações desesperadas para tirarem dinheiro das mãos dos que mais precisam dele”, disse o dirtor do serviço de proteção dos consumidores da Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em Inglês), Andrew Smith, durante uma videoconferência com jornalistas.

A FTC liderou a investigação com dirigentes de nove Estados, procuradores federais no Arcansas, Califórnia e Arizona, várias agências locais de controlo da aplicação da lei e ainda dos reguladores do mercado bolsista (SEC, na sigla em Inglês) e do mercado de futuros (CFTC, na sigla na Inglês).

“Há pessoas por aí cujo trabalho é procurar roubar o vosso dinheiro”, disse na ocasião o procurador-geral do Estado do Maryland, Brian Frosh.

Adiantou que o seu gabinete estava a ver um número crescente de casos de fraude por afinidade, um tipo de esquema em ‘pirâmide’, em que se apela aos consumidores que peçam dinheiro a amigos, familiares e conhecidos das comunidades religiosas ou étnicas para entregarem, para acrescentar aos seus próprios pagamentos.

Outras fraudes respeitavam a investimentos em moedas digitais ou em falsas franquias.

Além do Marykand, os Estados envolvidos foram Arizona, Arcansas, Califórnia, Florida, Indiana, New Hampshire, Oregon e Pensilvânia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoridades americanas investigam esquemas fraudulentos nascidos durante pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião