Brisa, BP, Cepsa, EDP, Galp, Ionity e Repsol investem 10 milhões em rede de carregamento elétrico de longa distância

Sob a marca Via Verde Eletric, a nova rede inclui 82 pontos de carregamento rápidos e ultrarrápidos em todas as áreas de serviço da Brisa situadas nas autoestradas portuguesas.

A Brisa uniu-se em parceria à BP, Cepsa, EDP Comercial, Galp Electric, Ionity, Repsol, e juntas estas oito empresas fizeram um investimento global de 10 milhões de euros para criar a maior rede de longa distância de postos de carregamento elétrico do país. Sob a marca Via Verde Eletric, a nova rede inclui 82 pontos de carregamento rápidos e ultrarrápidos (dois por zona) em todas as áreas de serviço da Brisa situadas nas autoestradas portuguesas.

A operadora de infraestruturas de transporte fala de uma “cobertura total da rede Brisa”: 11 autoestradas, 1124 quilómetros, 40 zonas de carregamento em áreas de serviço de longa distância. O presidente executivo da Brisa, António Pires de Lima, anunciou que os carregamentos elétricos feitos nesta nova rede da Brisa poderão ser pagos através dos identificadores ou da aplicação móvel da Via Verde, tal como já acontece em parques de estacionamento ou bombas de gasolina. Pires de Lima anunciou também que está estudo o carregamento a hidrogénio nas áreas de serviço da Brisa.

Dos 82 carregadores, 80% estarão localizados nos três principais eixos rodoviários do país: 28 serão em 14 áreas de serviço da A1 (Lisboa/Porto), 22 em 11 bombas da A2 (Lisboa/Algarve) e outros 12 em 6 áreas de serviço da A6 (Ligação a Espanha via Badajoz).

“Este passo da Brisa é inovador no compromisso e na tecnologia. No próximo verão já não já não haverá desculpa para não fazer deslocações de grande distância com carros elétricos em Portugal”, disse o ministro do Ambiente e Ação Climática, Matos Fernandes, no vento de lançamento da rede Via Verde Eletric.

O ECO/Capital Verde sabe que esta iniciativa partiu da Brisa, que convidou todas as outras empresas de energia e as sentou à mesma mesa para delinear o projeto desta nova rede de carregamentos elétricos em autoestradas. Na parceria estão as petrolíferas BP, Repsol e Cepsa, também a Galp, que além de petrolífera também já aposta no carregamento de veículos elétricos, a elétrica EDP, e rede de estações de carregamento de alta potência para veículos elétricos Ionity, uma joint venture fundada pelo BMW Group, Daimler AG, Ford Motor Company e Volkswagen Group.

Apesar de operarem todos sob a mesma marca — Via Verde Eletric –, o ECO/Capital Verde sabe que as bombas da Galp serão equipadas com carregadores elétricos da própria Galp (que será também o respetivo operador do posto — OPC — e Comercializador de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica — CEME — nesses locais), as estações de serviço da BP e da Repsol contarão com 34 pontos de carregamento da EDP (OPC e CEME nessas bombas) e quanto à Cepsa fez um acordo com a Ionity para contar com os carregadores e respetivos serviços. A aliança da Cepsa com a Ionity contempla a instalação de pontos de carga em 35 áreas de serviço em Portugal e Espanha, até final de 2021, cobrindo os principais corredores da Península Ibérica.

Quando a rede estiver completa, numa viagem entre o Porto e Faro, por exemplo, a Via Verde Eletric terá 12 pontos de carregamento, com 24 carregadores. À sua disposição os condutores terão soluções de carga rápida (50kW) e ultrarrápida (150 a 350kW), aproximando a duração do carregamento elétrico do tempo de um abastecimento convencional, com gasolina ou gasóleo. Quanto ao tempo médio de carregamento total (para uma bateria de 50 kW), a Brisa estima 1 hora nos carregadores rápidos e cerca de 7,5 minutos nos ultrarrápidos.

“A nova rede de carregamentos elétricos nas autoestradas da Brisa é um exemplo do que fazemos como operador de mobilidade sustentável. Neste caso, com os nossos parceiros, estamos a derrubar barreiras para o uso de veículos elétricos para as médias e longas distâncias. No próximo verão, será possível viajar num veículo elétrico com total conforto, do Minho ao Algarve, na rede Brisa”, disse o presidente executivo da Brisa, António Pires de Lima.

Esta rede não inclui as áreas de serviço urbanas da rede Brisa — Oeiras, na A5; Coronado-Trofa, na A3; Águas Santas, na A4 — que terão uma oferta diferenciada, adaptada às necessidades do tráfego urbano numa lógica mais alargada de Mobility Hub, e cujos projetos estão em preparação e serão abordados numa segunda fase“, explicou a Brisa em comunicado

Os pontos de carregamento Via Verde Eletric, ficarão instalados junto à zona de restauração das áreas de serviço Colibri e a rede deverá estar completa durante o decorrer de 2021.

Pedro Oliveira, presidente da bp Portugal, diz que “a bp quer ser um agente ativo das mudanças necessárias para tornar mais sustentável o nosso planeta, pelo que procuramos ser cada vez mais eco eficientes e, no que diz respeito à mobilidade, temos
uma estratégia de desenvolvimento que vamos poder traduzir neste projeto”.

Rui Romano, diretor da rede de retalho da Cepsa Portuguesa, salienta que “vamos cobrir os principais corredores da península com estações de carga ultrarrápida de 350 kW, em áreas de serviço da Cepsa”. A empresa inaugurou recentemente o primeiro corredor ibérico de carga ultrarrápida (entre Madrid e Barcelona) e em Portugal vai inaugurar, já no primeiro trimestre de 2021, as primeiras estações de carregamento ultrarrápido de 350 KW que vão permitir fazer o trajeto Lisboa – Porto – Galiza, bem como Lisboa – Algarve e Lisboa- Elvas.

Vera Pinto Pereira, administradora executiva da EDP e presidente da EDP Comercial, destaca que “através destas parcerias, oferecemos capilaridade fora dos centros urbanos e traçamos o futuro da mobilidade elétrica”. Com o anúncio desta parceria, a EDP sublinha que é dado um passo adicional para chegar ao objetivo de 700 pontos de carregamento em desenvolvimento até ao final de 2020. Para o próximo ano, uma das principais metas da empresa é ter 1.000 pontos disponíveis para carregamento de veículos elétricos ligados à rede pública, por todo o país.

Sofia Tenreiro, administradora executiva da Galp, frisa que “esta parceria com a Brisa reflete o compromisso da Galp na disponibilização de soluções de mobilidade sustentável em todo o país”.

Marcus Groll, managing director and chief operations officer da Ionity GmbH, refere que “um dos maiores obstáculos aos carros elétricos é a falta de uma infraestrutura de carregamento confiável e de elevado desempenho. A nossa missão é estar presente para os veículos elétricos atuais e futuros, oferecendo uma experiência confiável, verde e de carregamento rápido”.

Armando Oliveira, administrador delegado da Repsol Portuguesa, salienta que “como líderes ibéricos em pontos de carregamentos elétricos, não poderíamos abnegar esta sinergia, que espelha a nossa visão precursora”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Brisa, BP, Cepsa, EDP, Galp, Ionity e Repsol investem 10 milhões em rede de carregamento elétrico de longa distância

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião