Mesmo com desconfinamento, portugueses aumentam poupança no terceiro trimestre com taxa de 10,8%

Gradual desconfinamento no terceiro trimestre levou portugueses a consumir mais, mas não ditou uma diminuição da taxa de poupança que aumentou 0,3 pontos percentuais face ao segundo trimestre.

No verão, mesmo com o gradual desconfinamento e o aumento do consumo privado, os consumidores portugueses não baixaram a sua taxa de poupança. Pelo contrário: de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados esta quarta-feira, a taxa de poupança aumentou 0,3 pontos percentuais para os 10,8% no terceiro trimestre, acima dos 10,5% registados no segundo trimestre.

Este é o valor da taxa de poupança mais elevado desde o segundo trimestre de 2013, período em que também estava nos 10,8%.

A taxa de poupança das famílias aumentou em 0,3 p.p. para 10,8% do rendimento disponível, em consequência do aumento do rendimento e da variação nula da despesa de consumo, (-3,5% no trimestre anterior)“, revela o gabinete de estatística no destaque divulgado esta quarta-feira. Recorde-se que estes valores se referem ao ano terminado no trimestre, alisando os números, e não apenas ao trimestre em si, o qual podia dar uma imagem diferente.

Ou seja, de facto os portugueses consumiram mais no terceiro trimestre, recuperando praticamente o consumo que tinham feito no mesmo período do ano passado. No entanto, houve um aumento do rendimento bruto disponível (+0,4%) durante este período, o qual permitiu um aumento da taxa de poupança durante o verão.

“O rendimento disponível bruto das famílias ajustado per capita fixou-se em 16,3 mil euros no ano terminado no terceiro trimestre de 2020, o que representou um aumento de 0,4% face ao trimestre anterior, enquanto o PIB nominal per capita diminuiu 1,1% no terceiro trimestre de 2020″, refere o INE.

A taxa de poupança mede a parte do rendimento disponível que não é utilizado em consumo final, sendo calculada através do rácio entre a poupança bruta e o rendimento disponível, de acordo com a definição utilizada pelo INE.

No último boletim económico, o Banco de Portugal antecipava que, no agregado, o rendimento disponível dos portugueses não será afetado pela crise pandémica graças aos apoios dados pelo Estado, ainda que tal esconda diferentes impactos em diferentes camadas da população. Os números do INE mostram isso mesmo com as prestações sociais e os impostos (redução destes) a dar o maior contributo para o aumento do rendimento disponível no terceiro trimestre.

“No quadro 3, que apresenta a decomposição da taxa de variação do rendimento disponível, as prestações sociais e os impostos sobre o rendimento contribuíram em 0,3 e 0,2 p.p. respetivamente”, relata o gabinete de estatísticas, referindo que “o Excedente Bruto de Exploração (EBE) e as Remunerações contribuíram em -0,1 p.p. e 0,1 p.p. para a variação do RD, respetivamente”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mesmo com desconfinamento, portugueses aumentam poupança no terceiro trimestre com taxa de 10,8%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião