EMEL quer monitorizar 650 lugares de estacionamento reservados a cargas e descargas em Lisboa

  • Lusa
  • 28 Dezembro 2020

A EMEL lançou um concurso público que visa encontrar um sistema de monitorização de 650 lugares de estacionamento reservados a cargas e descargas.

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) anunciou esta segunda-feira o lançamento de um concurso público, com 370 mil euros, para encontrar um sistema que monitorize 650 lugares de estacionamento reservados a operações de cargas e descargas.

Localizados entre a zona da Baixa de Lisboa e o Campo Grande, estes lugares de estacionamento devem integrar um sistema de monitorização que “permita mapeá-los e detetar a respetiva disponibilidade (livre/ocupado) em tempo-real, tornando, assim, a circulação mais fluida nas ruas da cidade”, avançou a EMEL.

Ao abrigo do projeto C-ROADS PORTUGAL, que visa o desenvolvimento de Sistemas Inteligentes de Transporte Cooperativos (C-ITS) em Portugal, cofinanciado através do programa europeu Mecanismo Interligar a Europa (MIE)/Connecting Europe Facility (CEF), o concurso público lançado pela EMEL pretende o “fornecimento, instalação e manutenção de uma solução de monitorização de lugares de estacionamento dedicados a operações de cargas e descargas”.

Com um valor total de 370 mil euros, dos quais 50% financiados pelo CEF, o concurso público tem como objetivo “encontrar um sistema que monitorize 650 lugares de estacionamento na via pública, reservados a operações de cargas e descargas”, reforçou a empresa municipal de Lisboa.

Relativamente aos critérios de adjudicação, a EMEL apontou o custo do projeto, o nível de abertura do sistema proposto (possibilitando a comunicação direta dos dados com a plataforma de monitorização da EMEL) e o grau de sofisticação do equipamento, inclusive se permite verificar o estado por frequência de comunicação independente, como é exemplo o ‘bluetooth’, e se permite comunicação com outros dispositivos.

Enquanto empresa que gere a mobilidade e o estacionamento em Lisboa, a EMEL indicou que está atenta às necessidades dos residentes da capital, assim como de quem circula nas ruas da cidade, quer seja em trabalho quer seja em lazer, com o objetivo de “tornar a mobilidade urbana mais segura, responsável e confiável”.

Os interessados em participar no concurso da EMEL devem consultar a plataforma de contratação pública Saphetygov, procedimento CPI 73/2020 relativo à “Aquisição de serviços e fornecimento de bens com vista à sensorização de bolsas de cargas e descargas”.

Totalmente constituído por empresas nacionais e integrando a totalidade dos gestores de infraestruturas rodoviárias do país, o projeto C-ROADS PORTUGAL, cofinanciado através do quadro CEF, quer tornar as estradas portuguesas mais seguras para os cidadãos, a mobilidade mais eficiente e reduzir as emissões do transporte rodoviário, segundo a EMEL.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

EMEL quer monitorizar 650 lugares de estacionamento reservados a cargas e descargas em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião