China quer atrair investimento estrangeiro para desenvolver 5G e condução autónoma

  • Lusa
  • 29 Dezembro 2020

Entre a lista de setores para os quais o Governo chinês pretende atrair investimento estrangeiro, encontram-se as redes móveis de quinta geração (5G) e a condução autónoma.

O Governo chinês publicou esta terça-feira uma lista dos setores que querem atrair investimento estrangeiro, e que inclui redes móveis de quinta geração (5G) ou condução autónoma, através de benefícios fiscais ou facilitação de terrenos.

Este documento, elaborado pelo Ministério do Comércio da China, cobre um total de 480 setores a nível nacional e outros 755 nas regiões centro e oeste do país, cujo desenvolvimento Pequim quer promover, visando equilibrar o crescimento económico das províncias do interior com o das zonas costeiras mais prósperas.

Na última atualização desta lista foram acrescentados 127 novos setores. A lista entra em vigor em 27 de janeiro de 2021.

Segundo um porta-voz do Ministério do Comércio da China, a prioridade é o fabrico e serviços de produção, para melhorar a eficiência e as tecnologias industriais.

Entre os novos setores adicionados à lista consta ainda o ensino ‘online’ e o comércio eletrónico transfronteiriço.

Há ainda áreas relacionadas com a pandemia de Covid-19, como produção de ventiladores ou máquinas de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO), utilizadas no suporte vital de pacientes com pulmões gravemente lesados.

Os investidores estrangeiros que contribuírem com capital nestes setores poderão tirar proveito das “políticas preferenciais” a nível fiscal ou na utilização de terrenos.

Nos últimos anos, a China tem procurado promover o processo de abertura da sua economia com este tipo de iniciativa.

Existe ainda a chamada “lista negativa“, que abrange os setores nos quais está interdita a entrada de investimento estrangeiro, e que tem vindo a ser encurtada. Atualmente, são 33 os setores que integram esta lista.

Face a uma prolongada guerra comercial com os Estados Unidos, Pequim está a promover a assinatura de acordos como a Parceria Económica Abrangente Regional (RCEP, na sigla em inglês), o maior acordo de livre comércio do mundo, que inclui 15 países da região Ásia-Pacífico, ou o Acordo Compreensivo de Investimento, que deve ser assinado em breve com a União Europeia (UE).

Com este último acordo, a UE pretende obter reciprocidade no acesso ao mercado chinês pelas empresas europeias e aumentar a transparência nos subsídios concedidos pelo Governo chinês às empresas estatais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China quer atrair investimento estrangeiro para desenvolver 5G e condução autónoma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião