Na mesa do recrutador: Jorge Filipe, da Auchan Retail Portugal

Na Auchan Portugal há 33 anos, Jorge Filipe é diretor de recursos humanos há quase duas décadas. Contrata por competências desde 2009 e conseguiu eliminar a desigualdade de género em todas as funções.

A mesa de Jorge Filipe, diretor de recursos humanos da Auchan Retail Portugal.Hugo Amaral/ECO

No cartão de identificação em cima da mesa lê-se “Eu faço com que as pessoas não sejam nêsperas”, uma frase retirada do livro “Contos do Gin-Tónico”, de Mário Henrique Leiria, e que reflete o propósito de Jorge Filipe. “Não podemos estar à espera do que acontece. Temos de, cada um de nós, ter na iniciativa de definir o que quer, qual é a sua ambição, onde quer chegar”, explica à Pessoas.

Com 60 anos e, na Auchan Portugal há 33, é diretor de recursos humanos há quase duas décadas. A última foi, de acordo com o gestor, propulsora de mudanças radicais na empresa, fazendo com que em menos de dez anos se alcançasse a paridade de género nos cargos de chefia, por exemplo. Na nova sede da Auchan, inaugurada no final de agosto em Paço de Arcos, Oeiras, Jorge diz que há espaço para 450 trabalhadores no espaço amplo, sem lugares marcados, sustentável e altamente tecnológico: as características do escritório permitem gerir ainda melhor os que lá estão e os restantes 8.500 trabalhadores das lojas espalhadas pelo país.

Em 2009, Jorge Filipe começou a recrutar por competências, eliminando qualquer discriminação por género ou idade. Em 20 anos, desapareceram as funções ligadas ao género na Auchan e o equilíbrio salarial foi-se alcançando, conta. Para valorizar ainda mais o potencial dos trabalhadores, foi criado o programa de mobilidade interna “Move-te cá dentro” que, em dois anos, ajudou mil pessoas a mudar para a função que desejariam dentro da empresa. “Começámos a ver que havia muita gente, há muito tempo, a fazer o mesmo. É um passaporte, uma viagem. Cada vez que há uma vaga, primeiro vamos dentro, depois vamos fora”, descreve. “Há um voluntarismo estimulado na própria empresa, no sentido de não ser “nêspera”, ou seja, de não ficares à espera que algum dia alguém chegue ao pé de ti e decida a tua vida”, ressalva.

Jorge Filipe, diretor de recursos humanos da Auchan Retail PortugalHugo Amaral/ECO

Com a moldura sobre a campanha “Pai do Ano”, vêm as memórias de 2008, data em que foi criado o incentivo à parentalidade na Auchan. “Identifiquei na sede três jovens que tinham acabado de ser pais e disse-lhes: ‘vão chegar a casa e convencer as vossas mulheres que ao fim de três meses elas vão trabalhar e vocês ficam em casa sozinhos com os vossos filhos”, recorda.” Defendo sempre fazer diferente do normal. A nossa sociedade e a cultura portuguesa têm mudado tanto nos últimos tempos, mas também é importante que as empresas fomentem esta mudança”, sublinha.

Desde setembro, é através da aplicação Me.Auchan que Jorge Filipe – e todos os trabalhadores – gere o seu trabalho do dia-a-dia. “Tenho um sistema que lançámos agora em setembro de gestão das pessoas, em que através do telefone ou do meu desktop, consigo acompanhar os meus horários, a minha remuneração, a minha equipa, a avaliação das pessoas, dar feedback”, refere. A plataforma vai permitir reduzir (ainda mais) as hierarquias, aproximar as pessoas e defender o título de empresa com maior maturidade digital de todo o grupo Auchan.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Na mesa do recrutador: Jorge Filipe, da Auchan Retail Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião