Na mesa do recrutador: Patrícia Valente, do grupo ANF

Diretora de recursos humanos desde 2010, Patrícia começou a trabalhar no grupo ANF, que integra empresas como a Alliance Healthcare ou a Glintt, em 2012.

Na Mesa do Recrutador com Patrícia Valente, directora de RH da ANF - 28AGO20
A mesa de Patrícia Valente, que lidera os recursos humanos do grupo ANF.Hugo Amaral/ECO

Um dia, Patrícia Valente chegou ao escritório e viu que tinha esquecido o telemóvel em casa. Ligou ao chefe, avisou-o do sucedido e relaxou. “No final do dia só tinha chamadas da minha mãe. Portanto, o mundo não acabou e as pessoas viram-me: isto traduz também a minha maneira de estar: nunca fechada num gabinete, circulo, as pessoas veem-me, recorrem a mim”, conta à Pessoas.

Diretora de recursos humanos desde 2010, Patrícia começou a trabalhar no grupo ANF, que integra empresas como a Alliance Healthcare ou a Glintt, em 2012. Aos 45 anos, observa que todas as experiências pelas quais passou fizeram dela o que é hoje: uma gestora de mais de 2.000 pessoas, sem mesa fixa, que circula com o computador debaixo do braço, sempre acompanhada de uma lapiseira e de um Moleskine.

“Todos trabalhamos para fazer das farmácias a rede de cuidados de saúde mais valorizada pelas pessoas. E isso, no setor da saúde – um setor em que o grupo ANF atua – é um desafio grande que passa por perceber que a farmácia tem um impacto na sociedade que, só trabalhando no setor, é possível sentir e compreender”, explica.

Na Mesa do Recrutador com Patrícia Valente, directora de RH da ANF - 28AGO20
Patrícia Valente, que lidera os recursos humanos do grupo ANF.Hugo Amaral/ECO

Esse ponto, comum a todas as empresas do grupo ANF, funciona como uma cola entre colegas. Mesmo que estes não se cruzem, de todo. “Aquilo que a farmácia dá e entrega é fundamental para o cidadão e, termos um papel bastante relevante no seu serviço é até um bocadinho viciante. O grupo ANF tem esse foco e essa missão: desde a tecnologia, a distribuição, àquilo que são os serviços que prestamos de informação do medicamento, temos um papel junto do setor da saúde e da farmácia que nos une, num grupo muito diverso. E isso gera até uma cultura própria nossa, de dedicação, de compromisso, de envolvimento”, garante a responsável pela direção corporativa de recursos humanos das sete empresas e unidades de negócio do grupo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Na mesa do recrutador: Patrícia Valente, do grupo ANF

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião