Portugueses optaram pelo online para realizar compras de Natal

  • Ema Gil Pires
  • 8 Janeiro 2021

Em dezembro, as compras online aumentaram 40% em comparação com o mesmo período do ano passado, com as compras em lojas físicas a terem sofrido uma quebra de 11% face a período homólogo.

No mês das festividades natalícias, as compras online tiveram uma expressão muito maior do que as compras em lojas físicas, revelam os mais recentes dados divulgados pela SIBS Analytics sobre as alterações nos hábitos de consumo dos portugueses. Efetivamente, as compras online aumentaram 40% em comparação com o mesmo período do ano passado, num ano que fica marcado pela crescente adesão a esta modalidade de compra.

Já as compras em lojas físicas, através da rede Multibanco, têm vindo a sofrer uma quebra desde o início do ano, tendo registado uma redução de 11% face a dezembro de 2019. No entanto, o valor médio de cada compra realizada no comércio físico superou, no mês de dezembro, o valor médio registado no comércio online: 39,4 euros (+5,6% face a novembro) versus 35,0 euros, respetivamente.

Outro dado curioso passa pelo facto de ter sido no dia 23 de dezembro que os portugueses realizaram um maior número de compras físicas em todo o ano de 2020, valor que supera em 57% a média diária desse mês. Por outro lado, as 11h30 de dia 24 de dezembro destacam-se por terem registado o pico de operações através da rede Multibanco durante o período natalício, com a realização de 312 transações por segundo.

Já o MB Way termina o ano de 2020 com mais de 3 milhões de utilizadores e com a realização de mais de 100 milhões de operações no ano. Os indicadores fornecidos mostram ainda que, no mês do Natal, foram realizadas mais de 7 milhões de compras, totalizando mais de 15 milhões de operações – valores estes que praticamente triplicaram em relação a 2019.

Efetivamente, os pagamentos em loja efetuados através do serviço MB Way cresceram, em dezembro, 321% face ao mês correspondente de 2019, ao passo que nas compras online o recurso a este serviço registou um incremento de 241%, avança o comunicado de imprensa que foi enviado esta sexta-feira às redações.

No que toca à tipologia de produtos que obtiveram uma maior expressividade de vendas em dezembro, em comparação com o resto do ano, destacam-se as categorias dos Jogos, Brinquedos e Puericultura (x2,5), da Perfumaria e Cosmética (x2,1) e da Decoração e Artigos para o Lar (x2,0).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses optaram pelo online para realizar compras de Natal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião