Tecnologia e energias renováveis entre os setores com maior previsão de crescimento de salários em 2021

Em 2021, os aumentos salariais não vão além dos 5%, mas as empresas estão focadas no bem-estar dos trabalhadores. IA e energias renováveis são os setores com maior crescimento, prevê a Robert Walters.

Devido ao impacto da pandemia da Covid-19, prevê-se que os aumentos salariais sejam muito moderados e quase metade dos trabalhadores não espera receber qualquer aumento durante este ano. As empresas estão focadas na transformação digital e no impacto ambiental, na produtividade dos trabalhadores e na aposta na gestão de benefícios para a saúde mental e para o bem-estar, o que faz com que o setor das tecnologias e das energias renováveis estejam entre aqueles para os quais se prevê um maior crescimento em 2021.

Por isso mesmo, entre os perfis mais procurados estão profissões relacionadas com as novas tecnologias, Inteligência artificial, energias renováveis e até do setor dos recursos humanos. Estas são algumas das conclusões do estudo Salary Survey Global 2021, da consultora Robert Walters, realizado em dezembro do ano passado a 100 empresas e 300 de profissionais em Portugal.

2021 sem aumentos e mais foco no desempenho

Em 2021, os aumentos salariais não serão expressivos e, de acordo com a Robert Walters, a maioria dos aumentos salariais ficará entre os 1% e 5%. Na mesma linha, 43% dos profissionais não espera receber um aumento salarial em 2021 e 35% não vai receber bónus. Apesar de a previsão não apontar para aumentos, 67% dos profissionais sentem-se confiantes relativamente a oportunidades de emprego no seu setor.

Relativamente aos bónus, em 45% dos casos este será definido pela antiguidade do colaborador na empresa e pelo cumprimento de metas individuais (39%). Embora muitas empresas esperem vir a cortar nos bónus este ano, nos casos em que estes existam será entre 1% e 15% do salário base total.

Relativamente aos aumentos, 65% das empresas afirma que irá basear os aumentos salariais no desempenho e produtividade do empregado e 45% nos resultados do setor e empresa. 29% das empresas irá também realizar melhorias na remuneração com base no potencial demonstrado pelo colaborador.

Setores da inteligência artificial e energias renováveis vão crescer em 2021

Transformação digital, e-commerce, analytics e business intelligence, inteligência artificial, data e robótica e energias renováveis serão os setores com previsão de maior crescimento em 2021, prevê a Robert Walters.

"As organizações devem implementar benefícios como flexibilidade e trabalho remoto, pois cada vez mais profissionais procuram oportunidades de emprego com esses benefícios, além de oportunidades de formação, melhor uso de tecnologias e maior foco no bem-estar.”

François-Pierre Puech

Senior manager da Robert Walters Portugal

Em grande medida, esta procura deve-se à melhoria de processos e implementação de metodologias lean nas organizações, à otimização de processos através da inteligência artificial e pelo crescimento do investimento exponencial nas energias renováveis a nível europeu em 2021.

entre os perfis mais procurados para 2021 estão as profissões de financial controller, business development, industrial technical director, talent acquisition specialist, compensation & benefits manager, data & analytics manager, DevOps engineer, digital marketing manager ou e-commerce manager.

Empresas querem mais “soft skills”

Cerca de 68% dos responsáveis de contratação está preocupado com a escassez de habilidades no seu setor, refere o estudo, e a procura intensifica-se por competências de personalidade e comportamento, as designadas soft skills. Em 2021, as competências mais requisitadas serão a capacidade de comunicação, de trabalho em equipa, de resolução de problemas, resiliência e pensamento crítico, revela a consultora.

Para atrair e reter talento, “as organizações devem implementar benefícios como flexibilidade e trabalho remoto, pois cada vez mais profissionais procuram oportunidades de emprego com esses benefícios, além de oportunidades de formação, melhor uso de tecnologias e maior foco no bem-estar. Os profissionais de change management, talent acquisition e especialistas de compliance & benefits irão ajudar as organizações em Portugal a reter o seu melhor talento, a encontrar os melhores profissionais disponíveis no mercado e a definir um pacote salarial equilibrado e atrativo”, sublinha François-Pierre Puech, senior manager da Robert Walters Portugal, citado em comunicado.

O estudo refere ainda que 68% dos responsáveis de contratação está preocupado com a escassez de talento e habilidades na área para a qual recrutam, sendo que sete em cada 10 consideram que a escassez de talento é especialmente preocupante para perfis mais seniores.

Para os responsáveis de contratação inquiridos, os maiores desafios quando procuram contratar novos profissionais são expectativas salariais e de benefícios demasiado elevadas por parte dos candidatos (62%), falta de soft skills essenciais (52%), falta de experiência no setor (51%) e falta de qualificações técnicas (28%). Para 24% dos inquiridos, existe uma e elevada competição por candidatos, principalmente na área de IT.

Este ano, o relatório da Robert Walters foi lançado numa plataforma digital, que inclui uma calculadora salarial que permite consultor os salários e funções em todos os países em que a consultora opera.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnologia e energias renováveis entre os setores com maior previsão de crescimento de salários em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião