Galp chega a acordo com Savannah para comprar metade do lítio da mina do Barroso

Galp vai gastar cerca de 5,3 milhões de euros para comprar 10% da mina do Barroso, da Savannah Resources e no futuro vai ficar com metade do lítio alí extraído: cerca de 100 mil toneladas por ano.

A empresa de exploração mineira Savannah Resources anunciou esta terça-feira em comunicado que chegou a acordo com a petrolífera portuguesa Galp Energia “relativamente a um proposta de investimento estratégico e aliança no campo de lítio em torno do projeto de Lítio da Mina do Barroso no norte de Portugal”.

O acordo prevê que a Galp obtenha uma participação de 10% nas subsidiárias portuguesas da Savannah que detêm a Mina do Barroso por 6,4 milhões de dólares (cerca de 5,3 milhões de euros).

Como tinha já avançado o ECO/Capital Verde, no que diz respeito ao “estudo da cadeia de valor das baterias” de lítio, a Galp estava precisamente a olhar para o início dessa mesma cadeia de valor e à procura de um parceiro que lhe fornecesse a matéria-prima para refinar.

“A Galp e a Savannah vão avaliar, em regime de exclusividade, um contrato de offtake até 100.000 toneladas por ano de concentrado de lítio da Mina do Barroso equivalendo a aproximadamente 50% de produção anual. O acordo representa um passo significativo na comercialização da Mina do Barroso e será um fator importante na obtenção de financiamento para a construção do projeto”. referiu a empresa mineira em comunicado.

 

Quanto ao papel da Galp no projeto da mina do Barroso, a Savannah diz que a petrolífera “irá agregar valor material através da sua participação na direção do projeto e da transferência da sua experiência significativa no desenvolvimento de projetos de recursos de grande escala em Portugal”.

A Galp mantém que, à data de hoje, não existe nenhum projeto de refinação de lítio para Matosinhos, mas revelou as suas verdadeiras intenções em relação ao lítio, no contexto da transição energética. “O que existe é o estudo da cadeia de valor de baterias, porque a armazenagem de energia está no DNA da Galp”, revelou José Carlos Silva, responsável pela refinação da Galp e membro da administração da petrolífera. Questionada pelo ECO/Capital Verde, a Galp não quis avançar mais informações. O ECO/Capital Verde sabe que em breve vão ser anunciadas mais novidades ao mercado pela petrolífera.

Segundo David Archer, CEO da Savannah Resources, a Mina do Barroso irá ser um catalisador para o desenvolvimento em Portugal de novas indústrias na parte intermédia e inicial da cadeia de valor das baterias de lítio na Europa, ou seja na mineração e extração de lítio e na sua refinação, podendo depois este lítio refinado ser exportado para outros países europeus.

“Entretanto, continuaremos a avançar com o Estudo de Impacto Ambiental da mina da Mina do Barroso e a dar informações aos pedidos da Agência Portuguesa do Ambiente, o regulador ambiental português”, acrescentou.

Estamos muito satisfeitos em anunciar a Galp como um potencial investidor e futuro parceiro estratégico no nosso projeto português. Acreditamos que a pegada de baixo carbono da Mina do Barroso pegada dará uma base fundamental para a transição energética da Europa para a mobilidade elétrica e é com grande satisfação que a Galp nos acompanha nesta viagem. São um dos líderes europeus empresas do setor da energia e das renováveis ​​com compromisso com a transição energética e com um vasta experiência no desenvolvimento de projetos de grande escala como este. O seu conhecimento e experiência irá ser inestimável para a Savannah à medida que avançamos no projeto de uma forma responsável e sustentável em desenvolvimento”, disse David Archer, CEO da Savannah.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, tem vindo a frisar que é muito importante para Portugal ter uma refinaria de lítio e que tudo fará para que esse investimento seja uma realidade e esses negócios aqui se possam desenvolver. “Não há nenhum terreno concreto. Há várias intenções de investimento. Há investidores estrangeiros a olhar para Portugal como um sítio onde podem desenvolver várias etapas do lítio”, disse aos jornalistas.

(Notícia atualizada com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp chega a acordo com Savannah para comprar metade do lítio da mina do Barroso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião