5 coisas que vão marcar o dia

O Governo anuncia as novas medidas de restrição para travar a pandemia, no dia em que o Parlamento debate mais uma renovação do estado de emergência.

Serão conhecidas as novas medidas de restrição para travar a propagação da Covid-19 no país, que serão semelhantes ao confinamento que esteve em vigor em março, enquanto no Parlamento é debatida a renovação do estado de emergência. Este é também o dia em que Portugal avança com a primeira emissão de dívida do ano, a nove e 14 anos. É ainda confirmada a inflação de dezembro e da média do ano passado, bem como divulgado o Livro Bege da Fed.

Estado de emergência regressa ao Parlamento

Com o país em vias de entrar num novo confinamento, a Assembleia da República volta a discutir e a votar um pedido de renovação do estado de emergência. Na sequência do disparo de novas infeções e mortes dos últimos dias, o Presidente da República considera ser necessário alargar a situação de exceção no país face ao avanço da pandemia, para vigorar por mais 15 dias.

Governo revela regras do novo confinamento

O Governo vai reunir em Conselho de Ministros esta quarta-feira, para decidir as regras de combate à pandemia que serão aplicadas, para fazer face ao aumento de novos casos de Covid-19. Estará em causa um confinamento semelhante ao que esteve em vigor em março do ano passado, com a exceção das escolas, que permanecerão abertas, pelo menos para os mais novos.

Portugal estreia-se no mercado de dívida em 2021

Portugal vai estrear-se no mercado de dívida em 2021, sendo que a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP vai realizar um leilão duplo de obrigações do Tesouro (OT) a nove e 14 anos, no qual pretende financiar-se até 1.250 milhões de euros. Esta será a primeira emissão de dívida de Portugal este ano, sendo que desta vez o IGCP escolheu fazer um leilão, em vez de uma venda sindicada.

INE confirma inflação de dezembro

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirma esta quarta-feira o Índice de Preços no Consumidor, referente ao mês de dezembro de 2020. A taxa de variação homóloga do índice terá sido de -0,2% em dezembro, igual ao registado em novembro, e a média do ano terá sido nula, segundo a estimativa rápida divulgada pelo INE no início do mês.

Fed divulga Livro Bege

A Reserva Federal dos Estados Unidos publica esta quarta-feira o Livro Bege, que compila dados sobre o sentimento empresarial e económico no país. Este relatório, disponibilizado oito vezes por ano, agrega os dados das 12 delegações da Reserva Federal dos Estados Unidos e serve de base para as decisões sobre as taxas de juro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião