Governo italiano abana com saída de partido de Matteo Renzi

  • Ema Gil Pires
  • 13 Janeiro 2021

Nova crise política à vista em Itália. O antigo primeiro-ministro e fundador do partido Itália Viva anunciou esta terça-feira que retira o apoio ao Executivo liderado por Conte.

Uma nova crise política volta a estar no horizonte do governo italiano. Matteo Renzi anunciou esta quarta-feira que as duas ministras do seu partido, Teresa Bellanova e Elena Bonettise, se tinham demitido do executivo, bem como o subsecretário de Estado Ivan Scalfarotto. O partido Itália Viva, fundado por Renzi, fazia parte do Executivo e garantia a maioria parlamentar através dos seus 30 deputados na câmara baixa e 18 na câmara alta do Parlamento italiano.

Em pleno contexto de pandemia e de recessão económica, Renzi disse ainda que a decisão de se retirar da coligação é um “ato de coragem”, numa altura em que o país tem tantos desafios pela frente. No entanto, acredita ainda que Sergio Mattarella, atual Presidente em funções, terá a capacidade de gerir as consequências políticas da sua decisão. A coligação governamental, liderada por Guiseppe Conte, conta ainda com mais três partidos: Movimento Cinco Estrelas, Partido Democrático e o grupo Livre e Igual.

Em causa estiveram os planos de recuperação económica apresentados pelo Governo para o país, aprovados ontem no Parlamento, com os quais Matteo Renzi não concorda. Aliás, o Itália Viva absteve-se na votação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo italiano abana com saída de partido de Matteo Renzi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião