Marcelo regressa a Belém, mas fica em “vigilância passiva” durante 14 dias

Depois de dois testes negativos ao novo coronavírus, Marcelo Rebelo de Sousa retomou a atividade no Palácio de Belém, mas vai ficar em “vigilância passiva durante 14 dias”.

O Presidente da República retomou a atividade no Palácio de Belém, depois de dois testes negativos à Covid-19. Ainda assim, Marcelo Rebelo de Sousa é considerado um contacto de “baixo risco”, pelo que vai ficar em “vigilância passiva durante 14 dias”, indicou fonte oficial da Presidência da República.

A indicação foi dada pelo delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo, “perto da meia-noite” de terça-feira, depois de o Chefe de Estado e recandidato ao cargo ter sido “considerado como tendo tido exposição de baixo risco”. Nesse contexto, Marcelo Rebelo de Sousa tem luz verde para “retomar a atividade”, começa por explicar a nota da Presidência da República.

Não obstante, o Presidente da República vai ficar em “vigilância passiva durante 14 dias”, pelo que não deve “frequentar locais com aglomerações de pessoas” e deve estar atento a eventuais sintomas. Isto numa altura em que decorre o período de campanha para as eleições presidenciais.

Na segunda-feira, pelas 22h00, foi conhecido que Marcelo Rebelo de Sousa tinha testado positivo ao novo coronavírus, mas estava assintomático. A notícia surgiu poucos dias depois de ter sido conhecido que um dos assessores da Casa Civil estava infetado, sendo que na sequência disso Marcelo ficou em isolamento preventivo. Horas depois as autoridades de saúde consideraram o Chefe de Estado como um contacto de baixo risco, pelo que foi levantado o isolamento.

Face ao teste positivo a Marcelo, seguiram-se mais dois de despiste realizados pelo Instituto Ricardo Jorge, que deram negativo, pelo que o Presidente foi autorizado a regressar a Belém. Esta quarta-feira, soube-se também que o chefe de segurança de Marcelo testou positivo.

(Notícia atualizada às 16h03)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo regressa a Belém, mas fica em “vigilância passiva” durante 14 dias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião