Câmara dos Representantes aprova impeachment de Donald Trump

  • Ema Gil Pires
  • 13 Janeiro 2021

A destituição de Donald Trump foi aprovada esta quarta-feira na Câmara dos Representantes, com os votos a favor de pelo menos 10 republicanos. Processo segue agora para o Senado.

A Câmara dos Representantes aprovou, esta quarta-feira, a destituição do Presidente cessante Donald Trump, pelo seu papel na violenta invasão ao Capitólio na semana passada. No final, 232 congressistas votaram a favor do impeachment e 197 votos contra.

O resultado veio confirmar a posição de vários congressistas republicanos que já tinham demonstrado a sua vontade de, a par dos democratas, retirar os poderes presidenciais a Donald Trump. Pelo menos dez republicanos votaram a favor da segunda destituição do ainda presidente nesta câmara.

Este processo, que foi apresentado na segunda-feira na Câmara dos Representantes, só será, no entanto, votado no Senado após a tomada de posse de Joe Biden – na medida em que as atividades no Senado apenas são retomadas a 19 de janeiro, um dia antes de Biden assumir a liderança da nação, avança a Reuters.

Os democratas conseguiram assegurar recentemente o controlo do Senado dos Estados Unidos, até agora de domínio republicano, passando a existir 50 senadores de cada partido e com a vice-presidente de Joe Biden, Kamala Harris, a ter o poder de desempate em muitas decisões. Mas em casos como este, relativo ao processo de impeachment a Trump, o segundo que lhe é instaurado, é necessário o acordo de pelo menos dois terços dos senadores para haver uma aprovação.

Se o impeachment passar no Senado, onde precisa de uma maioria de dois terços, já não vai a tempo de destituir o Presidente cessante do cargo, mas impede Donald Trump de se recandidatar futuramente à Casa Branca.

Esta votação acontece depois de Mike Pence, o vice-presidente dos Estados Unidos, ter recusado, na terça-feira, invocar a 25.ª Emenda à Constituição dos Estados Unidos, que teria também como objetivo a destituição de Donald Trump.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara dos Representantes aprova impeachment de Donald Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião