Privados já disponibilizaram 889 camas para não-Covid e 160 para doentes com o vírus

A região Norte é a que conta com mais camas disponibilizadas pelos privados para doentes não-Covid, 506, seguida de Lisboa e Vale do Tejo, onde são 257.

Os hospitais privados já disponibilizaram ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) 889 camas para doentes não-Covid e tem 160 camas ocupadas por aqueles infetados pelo novo coronavírus, adiantou a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) ao ECO. Isto numa altura em que o aumento das hospitalizações nesta terceira vaga da pandemia está a colocar uma enorme pressão sobre o SNS.

Quanto à distribuição das camas que não se destinam a doentes com Covid-19 disponibilizadas pelo país, a maioria (506) localiza-se na região Norte, revela a mesma fonte. Já em Lisboa e Vale do Tejo são 257, enquanto no Centro se contam 81 camas e no Algarve 45.

Já camas para doentes Covid encontram-se 100 em Lisboa e 60 no Porto. Entre as 160 camas, 120 são do SNS e 40 de seguradoras.

O aumento de casos após o período do Natal e do Ano Novo, que motivou o Governo a avançar para um confinamento geral, levou a um maior número de hospitalizações. De acordo com os dados mais recentes da Direção Geral de Saúde (DGS), existem, no total, 5.493 doentes com Covid-19 internados no país, 681 dos quais em unidades de cuidados intensivos.

A ministra da Saúde já alertou, este fim de semana, que a “situação é de elevadíssima pressão sobre todo o sistema de saúde português”. Marta Temido adiantou que foram acionados acordos com os hospitais privados CUF, Lusíadas e Luz Saúde, mas não foi ainda feita nenhuma requisição civil.

Perante a situação difícil no SNS, os partidos de esquerda têm vindo a apelar ao Governo que avance para uma requisição civil da capacidade instalada no setor privado, na Saúde. No entanto, o Executivo diz que dá preferência a chegar a acordo com os prestadores privados. O Governo não exclui, ainda assim, a possibilidade de requisitar se for necessário.

Questionado sobre o assunto no Parlamento, esta terça-feira, Costa reiterou que os instrumentos da lei devem ser usados quando necessário e admite fazê-lo, se necessário, mas neste momento é preciso “não criar conflitos onde eles não se justificam”. O objetivo é chegar a acordo com o setor privado “sempre que possível e tanto quanto necessário”. “O Governo não prescinde de utilizar a medida da requisição. Não chegamos ainda a esse ponto e espero bem que não se chegue a esse ponto”, disse.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Privados já disponibilizaram 889 camas para não-Covid e 160 para doentes com o vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião