BCP cai mais de 3% e atira Lisboa para o vermelho

Maré vermelha em Lisboa. Das 18 cotadas do PSI-20, apenas duas conseguiram terminar a sessão acima da linha de água. O BCP perdeu mais de 3% e pressionou a praça nacional.

A praça lisboeta terminou a primeira sessão da semana abaixo da linha de água. Das 18 cotadas do PSI-20, apenas duas conseguiram escapar às perdas. O BCP viu os seus títulos desvalorizarem mais de 3%, pressionando a bolsa nacional. A pandemia continua a preocupar os investidores.

O índice de referência na praça nacional, o PSI-20, caiu 1,55% para 4.962.440 pontos. Nas demais praças do Velho Continente, a sessão também foi de perdas. O índice pan-europeu Stoxx 600 desceu 0,89%, o francês CAC 40 1,61%, o alemão Dax 1,68% e o Ibex 1,85%. A sessão tinha começado animada — com os investidores otimistas quanto à proposta de novos estímulos apresentada pelo presidente dos Estados Unidos e face à vacinação contra a Covid-19 –, mas acabou por ficar pintada de vermelho com o agravamento dos receios em torno da pandemia.

Por cá, destaque para as ações do BCP, que recuaram 3,09% para 0,1162 euros, seguindo a tendência registada no setor. Os títulos do espanhol Santander, por exemplo, perderam 3,5258% e os do BNP Paribas desceram 4,31%.

BCP segue quedas da banca na Europa

A protagonizar as maiores perdas na praça lisboeta esteve a Altri, cujas ações desvalorizaram 3,24% para 5,07 euros. Ainda nas papeleiras, as ações da Navigator recuaram 1,82% para 2,48 euros e as da Semapa caíram 2,03% para 8,68 euros.

No retalho, os títulos da Sonae cederam 3,18% para 0,6845 euros e os da Jerónimo Martins desvalorizaram 1,22% para 14,225 euros.

Do outro lado da linha de água, apenas ficaram duas das 18 cotadas do PSI-20, com destaque para a EDP, cujos títulos avançaram 0,11% para 5,314 euros. Também na energia, mas no vermelho, as ações da EDP Renováveis caíram 1,61% para 24,5 euros e as da Galp Energia recuaram 2,45% para 8,584 euros.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

BCP cai mais de 3% e atira Lisboa para o vermelho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião