Ex-diretor do Private Banking do BPN condenado à prisão

  • ECO
  • 29 Janeiro 2021

José Viamonte de Sousa foi considerado responsável por uma burla no valor de 1,25 milhões de euros durante a realização de um negócio de venda de 41 pinturas de Joan Miró, segundo o Correio da Manhã.

Conhecido por ter sido o antigo diretor do Private Banking do BPN, José Viamonte de Sousa foi agora considerado culpado pela realização de uma burla no valor de 1,25 milhões de euros. De acordo com o Correio da Manhã (acesso pago), tal terá ocorrido durante um negócio de venda de 41 quadros do artista Joan Miró.

Consequentemente, o Tribunal de São João Novo condenou Viamonte de Sousa a sete anos e 10 meses de prisão, por motivo de burla e de branqueamento de capitais. 17 anos após a ocorrência desse mesmo negócio, fica assim provada a culpa do bancário na venda das obras do pintor espanhol por um preço inicial de 22 milhões de euros.

A propósito desta condenação tardia, o juiz Pedro Brito, responsável pelo caso, refere que embora não se possa “ignorar os anos volvidos”, não seria “por isso que as penas poderiam ser atenuadas”. O processo envolvia ainda um outro arguido, a quem foram atribuídos quatro anos de pena suspensa por ter ajudado José Viamonte de Sousa a esconder o dinheiro referente à transação.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Ex-diretor do Private Banking do BPN condenado à prisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião