Rússia oferece 100 milhões de doses da sua vacina contra a Covid-19 à União Europeia

  • Lusa
  • 29 Janeiro 2021

Numa altura em que se registam atrasos na entregas das vacinas no bloco comunitário, a Rússia ofereceu esta sexta-feira à União Europeia 100 milhões de doses da sua vacina Sputnik V contra a Covid-19.

A Rússia ofereceu esta sexta-feira à União Europeia (UE) 100 milhões de doses da sua vacina Sputnik V contra o coronavírus, quando se registam atrasos na entrega de vacinas e existe um contencioso entre Bruxelas e a farmacêutica AstraZeneca.

Após finalizar a parte principal da vacinação massiva na Rússia, o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia (FIDR) pode disponibilizar à UE 100 milhões de doses da vacina Sputnik V para 50 milhões de pessoas no segundo trimestre de 2021”, assinalaram os responsáveis da organização na sua conta oficial no Twitter.

O FIDR, que negoceia os contratos com os países que adquiriram a Sputnik V, desenvolvida no Centro Gamaleya, especificou que a entrega estará sujeita “à aprovação” da Agência Europeia do Medicamento (EMA).

O fundo soberano da Rússia recordou que a vacina russa já foi registada em 15 países, incluindo a Hungria na UE, e diversos Estados latino-americanos, como a Argentina, Bolívia, Venezuela e Paraguai, e que “enviou documentos” à EMA para um processo de “contínua revisão”, de acordo com o comunicado oficial.

Na semana passada, a EMA explicou que a entidade produtora da Sputnik V – que possui uma eficácia de 91,4% segundo o último controlo efetuado na terceira fase de ensaios clínicos – solicitou “acompanhamento científico” para “facilitar” o seu programa de desenvolvimento do fármaco e aproximá-lo da legislação comunitária, numa tentativa de garantir a aprovação da sua utilização na UE.

A Rússia, que registou esta vacina em agosto de 2020, fez a oferta à UE quando atrasos na entrega de vacinas contra o coronavírus e um contencioso entre Bruxelas e a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca estão a originar um crescente descontentamento entre as autoridades sanitárias europeias, impotentes para travar a expansão do vírus.

Apenas o Reino Unido não tem sido afetado pelos atrasos que se registam na maioria da Europa, após a AstraZeneca ter anunciado que devido a problemas de produção apenas poderá entregar até 25% das doses que tinha prometido para o primeiro trimestre de 2021.

Este anúncio implicou a instauração pela Comissão Europeia de um mecanismo de emergência que permitirá controlar, e eventualmente bloquear, as exportações para países terceiros das vacinas produzidas no espaço comunitário.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.191.865 mortos resultantes de mais de 101 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 11.886 pessoas dos 698.583 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Rússia oferece 100 milhões de doses da sua vacina contra a Covid-19 à União Europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião