BCE considera que segunda vaga da pandemia teve impacto menor nas empresas

  • Lusa
  • 3 Fevereiro 2021

Num artigo no boletim económico do BCE, divulgado esta quarta-feira, os economistas do BCE consideram que a pandemia mostrou a importância de manter contactos com as empresas.

O Banco Central Europeu (BCE) considera que a segunda vaga da pandemia de Covid-19 e as medidas de confinamento que suscitou tiveram um impacto menor nas empresas do que a primeira.

O BCE manteve contactos com conselhos de administração de perto de 150 empresas da zona euro e conversações regulares com entre 50 e 70 destas empresas em cada trimestre, para ver qual é a sua situação e como estão a ser afetadas pela pandemia.

Num artigo no boletim económico do BCE, divulgado esta quarta-feira, os economistas do BCE consideram que a pandemia mostrou a importância de manter contactos com as empresas.

Durante a segunda vaga, as empresas puderam manter melhor a produção e houve maior consumo através da internet.

“As empresas exportadoras beneficiaram com o crescimento em algumas partes do mundo onde o vírus era menos predominante”, segundo o artigo.

No último trimestre de 2020, a produção aumentou em várias empresas de aço, químicas, do setor automóvel e da eletrónica, as vendas e encomendas recuperaram e, em alguns casos, superaram os níveis anteriores à pandemia.

Mas, os novos confinamentos que foram adotados a partir do outono também causaram quedas nas vendas de bens pessoais, de viagens, no turismo e nos serviços de entretenimento.

Para a maior parte do comércio retalhista, sobretudo de roupas e complementos, a subida das vendas ‘online’ não compensou o encerramento de lojas.

O BCE espera poucas mudanças no primeiro trimestre de 2021, mas considera que posteriormente o consumo pode aumentar, na sequência das campanhas de vacinação.

O emprego registou alguma recuperação no quarto trimestre em relação aos três meses anteriores, mas ainda está muito abaixo dos níveis de há um ano e os salários mantêm-se moderados em muitas empresas para preservar o emprego.

As empresas que têm contactos com o BCE operam em todo o mundo, incluindo na China.

Quando o impacto do novo coronavírus ainda não era evidente na Europa, os economistas do BCE puderam falar diretamente com as empresas afetadas sobre “as implicações para a cadeia de abastecimento global”.

Os contactos do BCE com estas empresas decorrem quase sempre a nível de conselhos de administração e normalmente têm lugar no início de janeiro, abril, junho e outubro, de modo a que as conclusões possam ser utilizadas nos preparativos das reuniões de conselhos de governadores que se seguem.

As conversações centram-se no que ocorreu no trimestre anterior e nas perspetivas para o trimestre em curso ou depois.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCE considera que segunda vaga da pandemia teve impacto menor nas empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião