Draghi aceita formar Governo de emergência em Itália. Investidores aplaudem

Bolsas sobem e juros da dívida recuam graças à solução encontrada em Itália para resolver o impasse governativo. O "salvador" do euro foi chamado a intervir.

Mario Draghi vai formar um Governo de emergência em Itália, para tentar acalmar a crise política no país e possibilitar a aplicação de medidas para lidar com a pandemia. Os mercados aplaudem o regresso do ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE) — que ficou conhecido como salvador do euro durante a crise financeira –, cuja nomeação foi oficializada esta manhã pelo presidente Sergio Mattarella. Após um encontro entre os dois, um porta-voz da presidência anunciou que Draghi aceitou o convite que fica condicionado à viabilização pelos partidos políticos.

Os juro da dívida italiana a 10 anos — que tinham vindo a agravar nos últimos dias com a incerteza sobre a governação no país — recuam 9,3 pontos base para 0,563%, com toda a curva de juros com tendência de queda. Itália tem todos os títulos com maturidades até aos cinco anos.

Itália está a contagiar os restantes países do euro, incluindo Portugal — que está esta quarta-feira no mercado de dívida de longo prazo — e Espanha. A yield das obrigações benchmark portuguesas cedem para 0,041% e a de Espanha para 0,102%. As Bunds alemãs também a 10 anos sobem ligeiramente (para -0,481%) a refletir a menor procura dos investidores por refúgio.

Nas bolsas, o sentimento é semelhante. O índice de referência de Milão ganha 2,6%, enquanto o português PSI-20 sobe 0,25% e o espanhol IBEX 35 avança 0,71%. Nas ações, as valorizações não são exclusivas do sul da Europa, com o Stoxx 600 a somar 0,6%, o alemão DAX a subir 0,64% e o francês CAC 40 a ganhar 0,38%. A reação é assim positiva à solução encontrada para o impasse governativo no país.

O presidente de Itália Sergio Mattarella convocou Draghi para uma reunião esta quarta-feira no palácio Quirinale para o convidar a formar um governo de emergência, depois de as negociações dos partidos para formar um novo governo terem falhado. Giuseppe Conte demitiu-se do cargo de primeiro-ministro de Itália na semana passada, depois de o partido de Matteo Renzi, Italia Viva, ter abandonado o acordo de coligação que tinha com o Governo, juntamente com o Movimento 5 Estrelas.

A crise sanitária e económica terá sido uma das principais razões para Mattarela ter optado por chamar uma alta personalidade do país para lhe atribuir a tarefa de formar um governo que enfrente rapidamente emergências graves que não podem ser adiadas. Em declarações à agência Ansa, Mattarella disse esperar que o novo governo tenha amplo apoio parlamentar. “Tenho o dever de apelar a todas as forças políticas [para apoiar] um governo de alto nível”, reiterou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Draghi aceita formar Governo de emergência em Itália. Investidores aplaudem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião