Glovo quer subsídios para baixar taxa de entrega 

  • ECO
  • 11 Fevereiro 2021

Glovo pede ao Governo que reverta o limite de 20% imposto às comissões cobradas pelas plataformas aos restaurantes e propõe o corte subsidiado das taxas de entrega.

As aplicações de entrega de comida não podem cobrar mais de 20% aos restaurantes, durante o estado de emergência. A Glovo quer reverter esta medida e sugere ao Governo a criação de um “mecanismo” para baixar as taxas de entrega cobradas aos consumidores pelas plataformas de delivery, avança o Jornal de Negócios (acesso pago).

O objetivo deste mecanismo é impulsionar a procura nos restaurantes de forma a minimizar os prejuízos do confinamento. “Queremos ajudar a subsidiar a taxa de entrega [junto dos consumidores] para que os restaurantes aumentem as vendas e tenham mais receita, ao invés de pouparem nas comissões”, refere o responsável pela operação da Glovo em Portugal, Ricardo Batista.

Para a Glovo, o aumento da procura propiciado pelo corte da taxa de entrega geraria um valor “duas a três vezes superior” ao gerado com as poupanças com a limitação das comissões a 20%. A proposta da Glovo ao Ministério da Economia passa por baixar a taxa até um valor mínimo de 0,99 euros. Na ótica de Ricardo Batista, “muito competitivo”, sendo o restante subsidiado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Glovo quer subsídios para baixar taxa de entrega 

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião