Tem mais de 50 anos? Já pode simular quando será vacinado contra a Covid-19

O simulador que permite saber se os cidadãos com mais de 80 anos, ou entre os 50 e os 79 com patologias, estão incluídos nas listas da 1.ª fase da vacinação já está disponível no portal Covid-19.

O simulador online que permite verificar se os portugueses com mais de 80 anos, ou com 50 a 79 anos com comorbilidades, estão incluídos na primeira fase de vacinação já está disponível no portal Covid-19.

Em causa está o grupo prioritário dos idosos com 80 ou mais anos independentemente das patologias, bem como as pessoas entre os 50 aos 79 anos com uma das quatro patologias: insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal e doença respiratória crónica.

Este simulador foi anunciado no início da semana passada, em conferência de imprensa, pela ministra da Saúde, que explicou esta funcionalidade vai permitir aos utentes “um melhor acompanhamento daquilo que é a sua inclusão no processo” e caso não estejam incluídas podem contactar os serviços de saúde para que seja feita a devida correção. Segundo a ministra, já foram identificadas 957 mil pessoas que integram estes critérios. Esta ferramenta ficou disponível ao início da noite de domingo e pode ser consultado aqui.

Nesse contexto, para confirmar se consta na lista, cada utilizador terá apenas de inserir alguns dados pessoais, como o número de utente do Serviço Nacional de Saúde, o nome completo e a data de nascimento (dd/mm/aaaa).

Mais de 23 mil portugueses já utilizaram este portal

Esta segunda-feira ao início da tarde, o presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMP) revelou que mais de 23 mil portugueses já utilizaram este portal, salientando que foram detetadas algumas dificuldades para quem tem apenas bilhete de identidade. “Até ao momento, houve 23.162 utilizadores que utilizaram este portal”, disse Luís Goes Pinheiro, e conferência de imprensa sobre o ponto de situação do plano de vacinação contra o novo coronavírus.

Deste total, “2.347 utilizadores aproveitaram para atualizar os seus dados e houve apenas 39 utilizadores que sinalizando que não tinham numero de SNS deixaram os seus dados para poderem trabalhados posteriormente”, assinalou o presidente dos SPMS.

Não obstante, Luís Goes Pinheiro admite que foram detetadas algumas dificuldades por parte dos utilizadores, nomeadamente para quem não tem cartão de cidadão, mas apenas bilhete de identidade. Segundo o responsável, quem tem cartão do cidadão, os dados passam automaticamente para o sistema dos SPMS, contudo, para as pessoas que ainda têm bilhete de identidade, a informatização dos dados foi feita manualmente e pode ter erros.

Face a estas limitações, a ministra da Saúde sublinhou que “este é um processo que carece de algumas afinações” e “melhorias”, pelo que há medida que os erros forem sido detetados as “correções estão a ser feitas”.

De salientar que a convocatória para a vacinação é feita através de carta ou SMS para o telemóvel associado ao número de utente e que identifica o destinatário da vacina, existindo um reforço de contacto em caso de ausência de resposta. A vacinação destes dois grupos prioritários arrancou no início deste mês, em vários centros de saúde espalhados pelo país.

(Notícia atualizada às 16h02 com as declarações do presidente dos SPMP e da Ministra da Saúde)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Tem mais de 50 anos? Já pode simular quando será vacinado contra a Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião