Produtora de canábis em Portugal na mira dos pequenos investidores

A Tilray, que produz canábis para fins medicinais em Cantanhede, já viu o valor das suas ações multiplicar-se por três desde o início do ano. Empresa já licenciou substância em Portugal.

O entusiasmo dos investidores particulares não abrange só as ações da GameStop ou criptomoedas como a bitcoin. Chega também ao setor da canábis, onde algumas empresas cotadas em bolsa têm assistido a valorizações expressivas desde o início deste ano. Uma das que tem estado na mira destes investidores tem grandes planos para Portugal.

Trata-se da norte-americana Tilray, que instalou em Cantanhede uma unidade de produção de canábis para uso medicinal com cerca de 15.000 metros quadrados em 2019. Como nota o jornal espanhol Cinco Días, as ações da Tilray já valorizaram quase 53% neste mês de fevereiro, tendo chegado a registar uma subida de mais de 50% no passado dia 10, seguida de uma queda equivalente no dia seguinte.

A publicação espanhola destaca que, na base do entusiasmo, está sobretudo a expectativa de que a Administração Biden legalize o uso da canábis para fins medicinais em todo o território dos EUA. Esta aposta dos investidores já levou o preço das ações da Tilray a multiplicar-se por três desde o início do ano, de 8,26 dólares para 29,21 dólares, numa altura em que há já muitos Estados que permitem o uso medicinal, mas muito poucos aceitam o uso recreativo.

A Tilray, cujo valor de mercado é já de quase quatro mil milhões de dólares, tem ainda outros planos para Portugal. No início deste mês, a Tilray anunciou que o Infarmed autorizou a primeira substância à base da planta de canábis para fins medicinais em Portugal. De acordo com o Cinco Días, a empresa está ainda a negociar a comercialização dos seus produtos de uso terapêutico no Reino Unido.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Produtora de canábis em Portugal na mira dos pequenos investidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião