Powell não vê caso para subida dos juros, mas Wall Street desconfia

Jerome Powell garantiu que é "altamente improvável" que seja necessário subir os juros este ano. Mas os investidores não estão convencidos: as yields da dívida dos EUA a 10 anos estão a disparar.

O presidente da Fed não vê necessidade de aumentar os juros nos próximos meses, numa altura em que os investidores estão receosos com a possibilidade de subida da inflação no segundo semestre.

Discursando num antecipado evento do The Wall Street Journal, Jerome Powell tentou acalmar os mercados, nomeadamente o obrigacionista. Alterar a política de juros baixos é “altamente improvável” este ano, disse, referindo que, para tal, teriam de estar satisfeitos dois fatores:

  • “Condições no mercado laboral consistentes” com o que a Fed acredita ser “máximo emprego” (taxa de desemprego nos 4%, por exemplo);
  • “Inflação sustentadamente a 2% e a caminho de estar moderadamente acima” desse nível.

Apesar de a economia norte-americana ter começado a “recuperar em maio”, Powell lembrou que o progresso “desacelerou muito” com os novos picos da pandemia. “Hoje ainda estamos muito longe dos nossos objetivos de máximo emprego e inflação média de 2%”, assegurou.

Reconhecendo que “há boas razões para esperar uma aceleração da criação de emprego nos próximos meses”, Jerome Powell disse, no entanto, que persistem “riscos”. Há menos dez milhões de norte-americanos empregados comparativamente com os níveis pré-pandemia, salientou.

À medida que a população vai sendo vacinada, o presidente da Fed admitiu um cenário de subida da inflação, perante o aumento esperado do consumo privado. No entanto, calculou que o fenómeno não vá ser persistente e acabe por diminuir gradualmente no tempo.

“Antecipamos que, à medida que a economia reabre — e, esperamos, que recupere –, veremos a inflação subir por efeitos base”, admitiu. “A questão é saber quão grandes serão esses efeitos”, rematou. E acrescentou: “Consideramos que é improvável que as expectativas de baixa inflação bastante enraizadas mudem subitamente. É mais provável que sejam efeitos one time“, reiterou.

As palavras de Powell estão a puxar pelos juros da dívida soberana. As yields das obrigações dos EUA a 10 anos sobem 6,6 pontos base, para 1,536%, em máximos de janeiro do ano passado. Nas bolsas, o S&P 500 perde 0,85%, o industrial Dow Jones recua 0,95% e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,89%.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Powell não vê caso para subida dos juros, mas Wall Street desconfia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião