Esta é a bússola que vai guiar o desconfinamento. Saiba como a ler

O Governo desenvolveu um modelo que vai guiar o desconfinamento e até pode levar ao recuo nas medidas. Saiba o que significam os números, as cores e o "X".

Há um gráfico de dois eixos que vai guiar o plano de desconfinamento ao longo das próximas semanas. Tem cores e quatro níveis de risco, e tem o poder para ditar medidas adicionais ou até levar a um recuo total na reabertura do país.

António Costa, primeiro-ministro, apresentou esta quinta-feira um plano com quatro datas, a começar já esta segunda-feira, 15 de março, e a estender-se até para lá da Páscoa. A cada dois dias será possível desenhar o referido gráfico, ao qual chamou de “avaliação de risco”.

O gráfico

Fonte: Conselho de Ministros

Os dois eixos

A bússola do desconfinamento tem dois eixos, um vertical e um horizontal.

Eixo vertical: ilustra a incidência da Covid-19 por cada 100 mil habitantes no acumulado de 14 dias. O ideal é estar sempre abaixo de 120 (meio do eixo) e o máximo são os 240 casos.

Eixo horizontal: ilustra o risco de transmissibilidade (Rt), que é o número de pessoas que cada doente infeta, em média. O ideal é estar sempre abaixo de 1 (meio do eixo) e o máximo não foi especificado.

A cruzinha

O gráfico também apresenta uma cruz. A cruz indica o estado do país num determinado dia, segundo os critérios dos dois eixos. No exemplo desta quinta-feira, 11 de março, ilustrado na imagem acima, o “X” marca uma incidência de 105 casos e um Rt de 0,78.

As cores

Cada quadrante está pintado com uma cor, que corresponde a níveis de risco de 1 a 4.

Verde: Significa que Portugal está numa situação “confortável” para prosseguir com o plano de desconfinamento. O nível de risco é 1.

Laranja: Os quadrantes inferior direito e superior esquerdo estão pintados de amarelo e correspondem aos níveis de risco 2 e 3, respetivamente. Quando a “cruz” entra num destes espaços, significa que o Governo tem de “tomar medidas cautelares para impedir que a situação pandémica se degrade”, disse António Costa. Instado a dar exemplos, o primeiro-ministro explicou que a presença do “X” nestes quadrantes pode ditar a “paralisação do desconfinamento e alguma medida restritiva que se justifique”.

Vermelho: Corresponde ao quadrante superior direito e implica um cenário em que o Governo não só tem de tomar medidas como decretará o recuo no plano de desconfinamento.

A origem dos dados

  • A incidência dos casos é calculada diariamente pela Direção-Geral da Saúde.
  • O Rt é calculado a cada 48 horas pelo Instituto Ricardo Jorge.

Nacional ou local?

O desconfinamento será gradual e seguirá “critérios nacionais”, mas o primeiro-ministro também quer que seja “tão local quanto possível”. Ou seja, poderão ser tomadas medidas específicas para um determinado concelho, caso em que as mesmas são também alargadas aos concelhos “limítrofes”, para evitar uma propagação acentuada da Covid-19.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Esta é a bússola que vai guiar o desconfinamento. Saiba como a ler

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião