Em cada três casas que trocaram de mãos, uma foi na região de Lisboa

Uma em cada três casas vendidas em 2020 estava localizada na Área Metropolitana de Lisboa. Capital concentrou metade do valor total transacionado no ano passado.

Os preços das casas subiram 8,4% em 2020 mas, pela primeira vez em oito anos, o número de transações caiu. Venderam-se 171.800 habitações, sendo que um terço estava localizado na Área Metropolitana de Lisboa (AML), mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Esta fatia mostra uma descida do peso da capital nas transações de imóveis. Ainda assim, Lisboa representou metade dos 26,2 mil milhões de euros transacionados.

No ano passado foram vendidas/compradas 171 800 habitações, menos 5,3% que no ano anterior, o que mostra a primeira descida deste número desde 2012, consequência dos efeitos da pandemia, refere o INE. Entre as transações realizadas, 26.619 (15,5%) foram casas novas e 145.181 (84,5%) casas já existentes.

Numa análise por regiões, os dados mostram que o Norte (28,7%) e a região Centro (20%) concentraram 48,7% do número total de transações, naquele que foi “o peso relativo conjunto mais elevado desde 2014”. Em números absolutos, transacionaram-se 49.253 casas no Norte (27.519 na Área Metropolitano do Porto) e 34.346 no Centro.

Atrás aparece o Alentejo (6,9%, 11.847 transações) e a Madeira (1,8%, 3.168). Só depois surge a AML com 57.471 transações que, “pelo segundo ano consecutivo, registou uma redução no seu peso relativo regional, fixando-se em 33,5%”. Ou seja, uma em cada três casas vendidas em 2020 foram na zona de Lisboa, mas a capital tem vindo a perder peso, pelo segundo ano consecutivo. Ainda numa análise ao número de transações, atrás da AML surge o Algarve, com um peso de 7,6% (13.071) e a Região Autónoma dos Açores com 1,5% (2.644).

Já no que diz respeito a valores, as 171.800 casas transacionadas em 2020 representaram 26,2 mil milhões de euros, um valor que aumentou 2,4% face a 2019. Aqui, a AML já ocupa uma posição de destaque, ao representar 45,4% (11.897.164 milhões de euros) do valor das transações realizadas no país. Contudo, 2020 foi o “terceiro ano consecutivo em que esta região registou uma redução do seu peso relativo no valor total das vendas de habitações).

Atrás da capital aparece o Algarve, concentrando 10,2% do valor total transacionado (2.671.176 milhões), seguido do Norte (24,3%, 6.358.873 milhões) e do Centro (13%, 3.400.581 milhões), que representaram em conjunto 37,3% do valor total das habitações transacionadas. À semelhança de 2019, diz o INE, o Alentejo viu o seu peso aumentar para 4,2% (1.101.184 milhões), assim como a Região Autónoma da Madeira que passou para 1,8% do valor total (470.268 euros). A Região Autónoma dos Açores manteve-se nos 1,1% (287.289 euros).

No destaque publicado esta terça-feira, o INE sublinha que “a Área Metropolitana de Lisboa e o Algarve foram as regiões com maiores reduções, tanto em número como em valor das transações de alojamentos”. Na capital, as transações diminuíram 8,1% em número e 0,2% em valor.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Em cada três casas que trocaram de mãos, uma foi na região de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião